Pular para o conteúdo principal

O Suicídio é imperdoável? O que diz a Bíblia?



Suicídio é um assunto delicado, que exige uma reflexão séria e bíblica. Nós lidamos aqui com emoções muito fortes. Pense em um pastor fazendo um culto fúnebre.  É complicado, por exemplo, afirmar que um ente querido que se suicidou não herdará a vida eterna. Não se pode fazer afirmações desta envergadura sem uma reflexão profunda a este respeito.
É mais fácil, para muitos, fugir do tema, dar uma resposta evasiva qualquer e não responder objetivamente a pergunta. É mais fácil mas não é correto.
Existem diversas opiniões a respeito. Uns dizem que o suicídio é um pecado imperdoável, outros dizem que não. Há os que afirmam que um cristão genuíno jamais cometeria suicídio. Outros que Deus não permitiria que tal ocorresse. Há ainda uma posição, assumida por grande parte dos estudiosos reformados, que afirma que os que cometem suicídio não perdem a salvação, nem são considerados perdidos por causa deste pecado. Eu assumo esta última posição. Afirmo que suicídio não é um pecado imperdoável.

Porque o  suicídio não é um pecado imperdoável?

A Bíblia não afirma  que o suicida é inevitavelmente condenado.  O único pecado imperdoável é a blasfêmia contra o Espírito Santo. Não explanarei sobre este pecado aqui. Explico Neste outro post detalhadamente, do que se trata este pecado imperdoável.
O suicida é um assassino, alguém que tira a sua própria vida , em um ato que ser de desespero, rebeldia ou disfunção mental. O motivo exato para que alguém tire sua própria vida só Deus pode julgar acertadamente. Notemos que não é  o suicídio   que determina se uma pessoa  pode adentrar no céu. Um perdido, que não recebeu a Cristo, ao suicidar-se apenas confirma sua perdição. Um salvo ao suicidar-se comete um grave pecado, mas não perde a salvação. A salvação não depende disso.
Podemos ler:

Estas coisas vos escrevi a vós, os que credes no nome do Filho de Deus, para que saibais que tendes a vida eterna, e para que creiais no nome do Filho de Deus.
1 João 5:13

Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeçar, e apresentar-vos irrepreensíveis, com alegria, perante a sua glória. Ao único Deus sábio, Salvador nosso, seja glória e majestade, domínio e poder, agora, e para todo o sempre. Amém.”
Judas 1.24-25

Não há dúvidas, não há receios, não há condições. Os que já creram, os que confiam em Jesus estão caminhando rumo aos céus inevitavelmente.

Cristo , quando morreu na cruz do calvário, fez provisão para todos cometidos pelos eleitos desde o seu nascimento até sua morte. Até mesmo no caso de um  salvo , que em dado instante de crise ou fragilidade emocional  dar cabo de sua vida , esse grave pecado ainda seria coberto pelo sacrifício de Jesus.

A pergunta que fazemos então é se um salvo verdadeiramente desejaria pecar de forma tão grosseira contra seu Criador. É o caso de  hoje em dia de questionarmos a sinceridade  da fé de uma pessoa que toma uma decisão tão  destruidora e ofensiva contra a Deus como o pecado de assassinato, ou seja, o suicídio.
Mas como não somos nós que conhecemos a mente e o coração das pessoas, mas Deus, é ele quem poderá avaliar salvação dos que cometem tal pecado.
 O suicídio não é uma boa evidência de salvação.
Resumindo: Pode um suicida ser  verdadeiramente salvo? 
Sim.

Pode um salvo desejar se suicidar?
Só Deus pode julgar as condições mentais em que se encontra a pessoa .
Temos certeza apenas da nossa salvação,  no que concerne a salvação de outra pessoa nosso juízo é apenas parcial e baseado em evidências. E reafirmo:

 O suicídio não é uma boa evidência de salvação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Pais capadócios

A região da Capadócia (também conhecida como Província da Capadócia) era localizada na área centro-oriental da Anatólia na moderna Turquia. Era um dos domínios romanos da região da Ásia Menor. Os Pais Capadócios foram três notáveis teólogos que viveram nesta região entre os concílios de Niceia (325) e o de Constantinopla (381). Sendo que suas contribuições para o Concilio constantinopolitano foram especialmente  relevantes. São eles  Basílio, Gregório de Nazianzo e Gregório de Nissa  e ficaram  conhecidos como os  Padres Capadócios.
Os três foram grandes amigos do assim chamado “Campeão da Ortodoxia” Atanásio, ou Atanásio de Alexandria , e criaram fórmulas para desenvolver a doutrina da Trindade de forma a ser aceita pela maioria dos teólogos da época. Basílio de Cesaréia e Gregório de Nissa eram irmãos, sendo que Basílio, que era seis anos mais velho, foi quem ensinou os princípios elementares da fé a seu irmão mais novo Gregório. Gregório de Nazianzo foi amigo íntimo dos dois, compartil…

A Importância da Reforma nos nossos dias

A Importância da Reforma nos nossos dias

Olá irmãos em Cristo. Estamos em clima de festa, pois no dia 31 de outubro comemoramos o aniversário da Reforma Protestante. E a convite do meu amigo Vitor, estou aqui para fazer um breve texto sobre a importância da Reforma nos nossos dias atuais.
Pouco se ouve falar da Reforma nos nossos dias atuais. A mídia tenta encobrir essa data com o Halloween, e as escolas quando falam sobre o assunto, na maioria dos casos, coloca os reformadores como os “vilões” da história.
A Reforma começou na Alemanha, no ano de 1517, quando o então cardeal da Igreja Católica Martinho Lutero se opôs a algumas regras e normas impostas pela Igreja Católica, como as indulgências, proibição de qualquer pessoa ler a Bíblia, o uso de imagens de santos nos cultos etc. E então, no dia 31 de outubro de 1517, Lutero coloca na parede da Catedral de Wittenberg as suas 95 Teses. E nessas teses, Lutero coloca suas oposições à grande parte daquilo que o catolicismo pregava, propagand…

“Eu te conheci no deserto, em terra muito seca.” (Oseias 13.5.)

O povo de Israel estava sofrendo sobremaneira na terra do Egito e isto já durava 400 anos. Deus  então ouviu o clamor de Israel quando o povo estava na escravidão . Moisés foi usado para libertar o povo. Israel então saiu, livre, para o deserto. Foi ao sair do Egito que eles viram o poder de Deus manifestado. Jamais um povo viu tantas manifestações grandiosas do poder do Altíssimo como Israel na Terra de Faraó. Por dez vezes o povo que os escravizara fora castigado por Deus  de maneira sobrenatural, e Israel viu tudo isso e ficou ileso. Castigos como água transformada em sangue,  plantações destruídas, primogênitos mortos. Mas Israel esteve protegido e não sofreu estas assolações. Mas não foi lá que eles  aprenderam quem era Deus. Foi  na terra seca e inabitável do deserto do Neguev, onde não havia água nem comida e o sol era ardente, que a nação escolhida conheceu ao Senhor. Hoje também, Jesus nos resgatou da maldição do pecado e nos colocou no caminho da vida eterna. Estamos livres e se…