Pular para o conteúdo principal

Um delicioso banquete. Salmo 119.77

Baixem sobre mim as tuas misericórdias, para que eu viva; pois na tua lei está a minha delícia. Salmo 119.77


O que você  entende quando ouve falar de Bíblia? O que imagina ao enxergar uma? O que pensa quando um pastor ou pregador faz a recomendação de que devemos ler mais a Bíblia?
É bom saber que, em vários contextos a palavra lei pode ser traduzida também por instrução, ensinamentos. O que vem à sua mente quando pensa nos ensinamentos de Deus?
Bom, poucas pessoas imaginam a Bíblia como um  banquete servido. Pois é isso que o salmista entende que a instrução do Senhor é. Ele enxerga a Instrução divina como uma delícia. Uma mesa farta, servida com iguarias saborosas que servem para saciar nossa fome e deleitar nosso paladar. Usualmente   inclui diversas entradas, pratos principais e sobremesas. A pessoa que organiza e cobre os gastos de um banquete é chamada de anfitrião. Neste caso, Deus é nosso anfitrião.
Neste sentido temos um banquete, a Bíblia e também temos um anfitrião que nos serve a Palavra, o próprio Espírito Santo.
Quando abrimos a Palavra estamos diante de um banquete para a alma. A imagem que o salmista nos traz e muito apropriada. Ele diz
"Baixem sobre mim as tuas misericórdias para que eu viva."
Ali está o salmista ,  ele está preocupado , ele está em perigo, ele deseja que Deus o preserve com vida, ele clama pela misericórdia divina. Mas o que ele precisa? Que perigo ele corre, que riscos sua vida está enfrentando? Do que está precisando?
Lendo o restante do versículo percebemos de que ele tem necessidade, de que ele precisa, o que o Senhor necessita supri-lo para que ele se mantenha vivo: Ele anseia pela instrução de Deus, anseia ser edificado pela Palavra. Sem ela , o salmista morreria de inanição espiritual.   Ele diz em outras palavras:
"Senhor dá-me a tua deliciosa Palavra para que eu possa viver!"
"Senhor usa de misericórdia comigo , eu preciso da tua maravilhosa instrução, eu tenho prazer nela, ela me satisfaz!"
O próprio Cristo faz uma símile entre a comida terrena e a comida da alma, ele  afirma em Mateus 4. 4: 
Jesus, porém, afirmou-lhe: “Está escrito: ‘Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus’”. 
Assim como a alma do salmista precisa das delícias da instrução divina , a alma do crente atualmente também necessita de um delicioso banquete de instrução da Palavra.
Imagino-me servido esplendidamente das melhores iguarias: à mesa estou sentado, garfo e faca na mão,  guardanapo no pescoço e uma fome imensurável no estômago. Ali os olhos brilham diante dos deliciosos pratos ali servidos. Que fome! E quanto há de coisas saborosas para experimentar!
Não é diferente na exposição das Escrituras. Eu mesmo, quando me assento para ouvir a exposição  séria, competente e inspirada da Bíblia por um irmão, estou servido num banquete. Com um cardápio delicioso.  E que cardápio variadíssimo, saborosíssimo! Um pregador abre a Bíblia  em Reis, outro escolhe Salmos, um escolhe algo mais temperado como Gálatas, Sofonias. Outro escolhe algo mais  suave como um Cantares ou o Evangelho de João. Há ainda os que preferem servir de sobremesa Provérbios, que é  tão saboroso quanto os outros cardápios. Neste maravilhoso banquete servido pelo Espirito Santo há sempre alimento fresquinho  e saboroso para nossa alma. O Espirito de Deus, maravilhoso "cozinheiro " sempre prepara as refeições na hora, usando sempre os mesmos 66 ingredientes, mas a comida sai sempre diferente e saborosa,  servindo para alimentar nosso espírito.
Deus é misericordioso e nos preparou este maravilhoso alimento para nossa alma, e nos dotou de prazer para apreciá-lo. É imperioso pois que desfrutemos dele.
Se não nos alimentarmos da Palavra nossa alma morrerá a míngua, de fome e seremos derrotados pelos nossos adversários. Já comeu seu banquete hoje?
Não?
Então abra sua Bíblia agora e mate sua fome espiritual.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Pais capadócios

A região da Capadócia (também conhecida como Província da Capadócia) era localizada na área centro-oriental da Anatólia na moderna Turquia. Era um dos domínios romanos da região da Ásia Menor. Os Pais Capadócios foram três notáveis teólogos que viveram nesta região entre os concílios de Niceia (325) e o de Constantinopla (381). Sendo que suas contribuições para o Concilio constantinopolitano foram especialmente  relevantes. São eles  Basílio, Gregório de Nazianzo e Gregório de Nissa  e ficaram  conhecidos como os  Padres Capadócios.
Os três foram grandes amigos do assim chamado “Campeão da Ortodoxia” Atanásio, ou Atanásio de Alexandria , e criaram fórmulas para desenvolver a doutrina da Trindade de forma a ser aceita pela maioria dos teólogos da época. Basílio de Cesaréia e Gregório de Nissa eram irmãos, sendo que Basílio, que era seis anos mais velho, foi quem ensinou os princípios elementares da fé a seu irmão mais novo Gregório. Gregório de Nazianzo foi amigo íntimo dos dois, compartil…

Trindade Imanente e Trindade Econômica

Não se pode estudar Teologia do ponto de vista ortodoxo sem refletir a respeito da doutrina Trindade. A grande maioria das Igrejas cristãs abraça esta doutrina. Ela é básica para o Cristianismo.  A Declaração típica do credo cristão histórico é: Cremos em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo .
Os judeus do tempo de Jesus davam muita ênfase à unidade de Deus, e esta ênfase foi trazida para dentro da igreja cristã. Não muito tempo depois,  estudiosos da Bíblia notaram que a Unidade ensinada no Judaísmo não era tão evidente assim como se entendia na época. Analisando as afirmações de Cristo e as revelações do apóstolo Paulo chegou-se a conclusão de uma Triunidade, também chamada de  Trindade .
Tertuliano (ca. 160 - ca. 220 d.C.) foi o teólogo responsável pelo desenvolvimento do termo Trindade, ele criou a palavra “Trindade” (no latim, Trinitas), esse termo desde a sua época tornou-se característico da teologia cristã. Muitos teólogos do cristi…

“Eu te conheci no deserto, em terra muito seca.” (Oseias 13.5.)

O povo de Israel estava sofrendo sobremaneira na terra do Egito e isto já durava 400 anos. Deus  então ouviu o clamor de Israel quando o povo estava na escravidão . Moisés foi usado para libertar o povo. Israel então saiu, livre, para o deserto. Foi ao sair do Egito que eles viram o poder de Deus manifestado. Jamais um povo viu tantas manifestações grandiosas do poder do Altíssimo como Israel na Terra de Faraó. Por dez vezes o povo que os escravizara fora castigado por Deus  de maneira sobrenatural, e Israel viu tudo isso e ficou ileso. Castigos como água transformada em sangue,  plantações destruídas, primogênitos mortos. Mas Israel esteve protegido e não sofreu estas assolações. Mas não foi lá que eles  aprenderam quem era Deus. Foi  na terra seca e inabitável do deserto do Neguev, onde não havia água nem comida e o sol era ardente, que a nação escolhida conheceu ao Senhor. Hoje também, Jesus nos resgatou da maldição do pecado e nos colocou no caminho da vida eterna. Estamos livres e se…