Pular para o conteúdo principal

Amor - Lei eterna de Deus. Salmo 119.44

Assim observarei de contínuo a tua lei para sempre e eternamente.  Salmos 119.44



Qual a diferença entre para sempre e eternamente? Muito diriam que somente na grafia das expressões, por que  sabemos claramente que elas são sinônimas, ou seja, possuem o mesmo significado.
Eu entendo que na linguagem corriqueira isso se aplica, mas na linguagem poética do salmista isso possuía muito  mais que este mero significado. O que ocorre, quando  salmista coloca as duas proposições juntas é que isto significa que ele está dando mais ênfase a última.


Parece bem difícil de imaginar a eternidade, na verdade é impossível. Nossa mente finita não abarca o infinito.

De fato a eternidade é a casa de Deus. É onde ele se move. Seu lugar de referência.
Nossa casa é mortal, dura 100 anos ou no máximo cento e alguns, mas vamos passar, não viveremos literalmente para sempre. Mas a eternidade é a casa de Deus, pertence ao seu ser, eternidade pertence exclusivamente a Deus, nem anjos, nem demônios, nem as criaturas da terra possuem este atributo. Todos estes seres foram criados, passaram a existir em dado momento. Deus não, ele sempre foi e sempre será a causa primeira de todas as coisas.

Poeticamente o salmista quis expressar seu desejo de estar para sempre na presença do Senhor, para isso ele se propunha a ser um servo dedicado, que estava disposto a cumprir rigorosamente a observância da divina lei.
 Percebam que o salmista estende a importância da lei para além desta vida terrena.  Jesus concorda com ele , séculos depois ao afirmar , conforme registrado no livro de Lucas 21.33:

"Passarão os céus e a terra, mas as minhas palavras não passarão"

e ainda outra vez, em Mateus 5.17  diz:

"Eu não vir para abolir a lei , mas para cumpri-la "

É interessante observar que analisando desta forma percebemos que este tipo de lei não  pertence só a humanidade, é uma lei infalível, uma lei que vige pela eternidade, uma lei que cruza a história do homem na terra , mas não se limita a ela.
Ela é uma lei que jamais findará, jamais acabará, uma lei que nos dá segurança, que nos dá certeza e convicção de sua infalibilidade, sua constância e sua firmeza. A lei que nos torna um com Deus e com nossos irmãos.
Ora, é óbvio que não se trata da lei mosaica, pura e simplesmente, pois a lei de Moisés é ampla, detalhada e refere-se a cerimônias, rituais, e até mesmo detalhes específicos sobre a vida humana na congregação de Israel. O que ocorre é que  no âmago da lei mosaica está a lei por excelência que foi tornada clara nas palavras de Cristo:

“Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento. Este é o grande e primeiro mandamento. O segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Mt 22: 37- 39)

A lei que nos torna um, que nos torna filhos de Deus, amigos de Deus, é a lei que nos ensina amar, quem não ama não conhece o fundamento eterno da lei, não conhece a Deus e não sabe o que é ser cristão.

Tenho convicção que é desta lei, que o salmista trata, embora ele não possa , ou não saiba como expressar isso ( Cristo ainda não havia introduzido a perfeita revelação do amor de Deus).
Esta lei é que se revela a Igreja nos dias de hoje como um mandamento eterno. Esta lei que nos garante que Deus não rejeita quem ele escolheu, por que está na sua lei, a lei do amor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Pais capadócios

A região da Capadócia (também conhecida como Província da Capadócia) era localizada na área centro-oriental da Anatólia na moderna Turquia. Era um dos domínios romanos da região da Ásia Menor. Os Pais Capadócios foram três notáveis teólogos que viveram nesta região entre os concílios de Niceia (325) e o de Constantinopla (381). Sendo que suas contribuições para o Concilio constantinopolitano foram especialmente  relevantes. São eles  Basílio, Gregório de Nazianzo e Gregório de Nissa  e ficaram  conhecidos como os  Padres Capadócios.
Os três foram grandes amigos do assim chamado “Campeão da Ortodoxia” Atanásio, ou Atanásio de Alexandria , e criaram fórmulas para desenvolver a doutrina da Trindade de forma a ser aceita pela maioria dos teólogos da época. Basílio de Cesaréia e Gregório de Nissa eram irmãos, sendo que Basílio, que era seis anos mais velho, foi quem ensinou os princípios elementares da fé a seu irmão mais novo Gregório. Gregório de Nazianzo foi amigo íntimo dos dois, compartil…

Trindade Imanente e Trindade Econômica

Não se pode estudar Teologia do ponto de vista ortodoxo sem refletir a respeito da doutrina Trindade. A grande maioria das Igrejas cristãs abraça esta doutrina. Ela é básica para o Cristianismo.  A Declaração típica do credo cristão histórico é: Cremos em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo .
Os judeus do tempo de Jesus davam muita ênfase à unidade de Deus, e esta ênfase foi trazida para dentro da igreja cristã. Não muito tempo depois,  estudiosos da Bíblia notaram que a Unidade ensinada no Judaísmo não era tão evidente assim como se entendia na época. Analisando as afirmações de Cristo e as revelações do apóstolo Paulo chegou-se a conclusão de uma Triunidade, também chamada de  Trindade .
Tertuliano (ca. 160 - ca. 220 d.C.) foi o teólogo responsável pelo desenvolvimento do termo Trindade, ele criou a palavra “Trindade” (no latim, Trinitas), esse termo desde a sua época tornou-se característico da teologia cristã. Muitos teólogos do cristi…

“Eu te conheci no deserto, em terra muito seca.” (Oseias 13.5.)

O povo de Israel estava sofrendo sobremaneira na terra do Egito e isto já durava 400 anos. Deus  então ouviu o clamor de Israel quando o povo estava na escravidão . Moisés foi usado para libertar o povo. Israel então saiu, livre, para o deserto. Foi ao sair do Egito que eles viram o poder de Deus manifestado. Jamais um povo viu tantas manifestações grandiosas do poder do Altíssimo como Israel na Terra de Faraó. Por dez vezes o povo que os escravizara fora castigado por Deus  de maneira sobrenatural, e Israel viu tudo isso e ficou ileso. Castigos como água transformada em sangue,  plantações destruídas, primogênitos mortos. Mas Israel esteve protegido e não sofreu estas assolações. Mas não foi lá que eles  aprenderam quem era Deus. Foi  na terra seca e inabitável do deserto do Neguev, onde não havia água nem comida e o sol era ardente, que a nação escolhida conheceu ao Senhor. Hoje também, Jesus nos resgatou da maldição do pecado e nos colocou no caminho da vida eterna. Estamos livres e se…