Pular para o conteúdo principal

Máscaras - Hipocrisia religiosa.Salmo 119.29

Desvia de mim o caminho da falsidade, e concede-me piedosamente a tua lei. - Salmo 119.29



O salmista  pede a Deus que faça dele um homem integro. Sem mescla de pureza e impureza. Enfim, sem falsidade.
Existem pecados escandalosos, que saltam a vista quando cometidos. Pecados como impureza sexual, homicídio, idolatria , feitiçaria, vícios de entorpecentes, cigarro e álcool,  entre outros , são pecados manifestos, que é fácil perceber quando acontecem na vida do salvo. Eles trazem tanto prejuízo espiritual como prejuízo social visto que são facilmente identificados pela comunidade e condenados por ela. O próprio contexto religioso fornece reprovações necessárias para coibir estas práticas, quem as pratica passa a ser mal-visto.
Mas há um pecado mais terrível do que todos estes. O pecado da Hipocrisia religiosa.
Por que ele é pior?  Ele é pior por que oculta as   manifestações públicas do pecado cometido. A justiça não pune, as pessoas não ficam sabendo, o pastor  ou líder não toma conhecimento , mas o mal está ali, corroendo a vida espiritual da pessoa, destruindo suas reservas morais, apodrecendo suas estruturas de vida cristã. Por fora a aparência é muito piedosa, por dentro está o caráter corrupto. Terrível.
Pessoas hipócritas ocultam seus erros, não os assumem nem procuram o arrependimento. Isso é especialmente danoso quando ocorre com os líderes religiosos, pois são eles os responsáveis por guiar o povo no caminho da verdade e da justiça requirida nas Escrituras Sagradas. Se o líder  é falso como será seu ensino? Se é mentiroso como poderemos confiar em sua liderança?
Jesus em muitas ocasiões reprendera os fariseus por sua hipocrisia, João Batista também. Os fariseus eram líderes ímpios. Usavam máscaras de santidade. Paulo também atacava o legalismo hipócrita dos judaizantes. Grave pecado é a hipocrisia , junto dela os piores pecados podem encontrar abrigo. Eu ainda afirmo mais, não há pior pecador do que aquele que não se arrepende, e naturalmente o hipócrita jamais se arrepende nem luta contra seu pecado.
Desta forma o pedido do salmista faz todo sentido, é uma solicitação para que Deus intervenha em sua vida evitando que ele possa cometer este terrível pecado.
Ele deseja que o Senhor lhe dê um caráter verdadeiro,  afaste dele a falsidade, o fingimento. Ele deseja ser um homem honesto, alguém que não tenha medo de enfrentar as consequências do seu pecado se isso precisar ocorrer, um homem que não se esconda por detrás de um manto de santidade forjada. Um homem que não ouse maquiar suas fragilidades para que os outros o admirem. Ele anseia que o Altíssimo  não permita que ele seja um "duas caras",pelo contrário, seu desejo é de que suas palavras sejam sinceras, que seus relacionamentos sejam sinceros, que seus negócios sejam sinceros, que suas atitudes sejam sinceras, sua vida religiosa seja sincera, sua liderança seja sincera.
Ele finaliza sua oração pedindo que Deus conceda-lhe o antídoto contra a falsidade, ou seja o amor verdadeiro pelos mandamentos do Senhor. Quem ama verdadeiramente as Escrituras está livre desta grande transgressão, pois mesmo que ele cometa algum pecado ele prontamente se arrependerá, pedirá perdão ao próximo e ao Senhor e voltará a comunhão com o Altíssimo.
Perfeição somente nos Céus, quando formos levados por Cristo para lá,  mas Deus deseja pessoas sinceras, que lidem honestamente com suas fraquezas e suas falhas. Aprendamos com este salmista!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Pais capadócios

A região da Capadócia (também conhecida como Província da Capadócia) era localizada na área centro-oriental da Anatólia na moderna Turquia. Era um dos domínios romanos da região da Ásia Menor. Os Pais Capadócios foram três notáveis teólogos que viveram nesta região entre os concílios de Niceia (325) e o de Constantinopla (381). Sendo que suas contribuições para o Concilio constantinopolitano foram especialmente  relevantes. São eles  Basílio, Gregório de Nazianzo e Gregório de Nissa  e ficaram  conhecidos como os  Padres Capadócios.
Os três foram grandes amigos do assim chamado “Campeão da Ortodoxia” Atanásio, ou Atanásio de Alexandria , e criaram fórmulas para desenvolver a doutrina da Trindade de forma a ser aceita pela maioria dos teólogos da época. Basílio de Cesaréia e Gregório de Nissa eram irmãos, sendo que Basílio, que era seis anos mais velho, foi quem ensinou os princípios elementares da fé a seu irmão mais novo Gregório. Gregório de Nazianzo foi amigo íntimo dos dois, compartil…

Trindade Imanente e Trindade Econômica

Não se pode estudar Teologia do ponto de vista ortodoxo sem refletir a respeito da doutrina Trindade. A grande maioria das Igrejas cristãs abraça esta doutrina. Ela é básica para o Cristianismo.  A Declaração típica do credo cristão histórico é: Cremos em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo .
Os judeus do tempo de Jesus davam muita ênfase à unidade de Deus, e esta ênfase foi trazida para dentro da igreja cristã. Não muito tempo depois,  estudiosos da Bíblia notaram que a Unidade ensinada no Judaísmo não era tão evidente assim como se entendia na época. Analisando as afirmações de Cristo e as revelações do apóstolo Paulo chegou-se a conclusão de uma Triunidade, também chamada de  Trindade .
Tertuliano (ca. 160 - ca. 220 d.C.) foi o teólogo responsável pelo desenvolvimento do termo Trindade, ele criou a palavra “Trindade” (no latim, Trinitas), esse termo desde a sua época tornou-se característico da teologia cristã. Muitos teólogos do cristi…

“Eu te conheci no deserto, em terra muito seca.” (Oseias 13.5.)

O povo de Israel estava sofrendo sobremaneira na terra do Egito e isto já durava 400 anos. Deus  então ouviu o clamor de Israel quando o povo estava na escravidão . Moisés foi usado para libertar o povo. Israel então saiu, livre, para o deserto. Foi ao sair do Egito que eles viram o poder de Deus manifestado. Jamais um povo viu tantas manifestações grandiosas do poder do Altíssimo como Israel na Terra de Faraó. Por dez vezes o povo que os escravizara fora castigado por Deus  de maneira sobrenatural, e Israel viu tudo isso e ficou ileso. Castigos como água transformada em sangue,  plantações destruídas, primogênitos mortos. Mas Israel esteve protegido e não sofreu estas assolações. Mas não foi lá que eles  aprenderam quem era Deus. Foi  na terra seca e inabitável do deserto do Neguev, onde não havia água nem comida e o sol era ardente, que a nação escolhida conheceu ao Senhor. Hoje também, Jesus nos resgatou da maldição do pecado e nos colocou no caminho da vida eterna. Estamos livres e se…