Pular para o conteúdo principal

Na Virtude do Espírito



Volto a este importante assunto que tratei inicialmente neste post, mas agora  tratando da diferença entre a experiência pentecostal tradicional e o avivamento pessoal que todo cristão deve ter . Quero enfatizar como o uso do pretexto   "Batismo do Espírito Santo"  pode tornar um cristão infantil e orgulhoso.
Eu proponho que escolhamos viver o   avivamento em vez de assumir o batismo com Espírito Santo. Não é mera semântica, os termos são qualificados pela realidade que os circunda. Já veremos isso.
Será uma proposta ousada , que mexe com as estruturas de todo o meu  sistema teológico, mas é uma mudança que amadureceu lentamente no meu coração, e precisa ser feita. Eu creio que a virtude do Espírito é algo muito mais profundo do que apenas uma experiência , é algo constante e que cresce na vida do verdadeiro salvo. Algo notável.
Essa proposta veio da leitura de críticas reformadas ao movimento pentecostal. Um estudo breve, mas atencioso, cabe-nos aqui.
Sobre as críticas, algumas  delas vieram de  reformados que criam na chamada "segunda bênção". 
 Para começarmos vamos ver a forma como via Martyn Lloyd-Jones esta segunda bênção, também chamada de revestimento de poder , de fato sua visão a este respeito  é completamente diferente da doutrina pentecostal acerca da “segunda bênção”.

Lloyd-Jones, em seu livro  A Vida no Espírito ,  nos ensina que o batismo no Espírito “é uma capacitação e investidura de poder com o propósito de realizar uma tarefa determinada”  - Ele cita estes exemplos -  Êxodo 31.2-4   Lucas 1.15   Lucas 1.41, 42   Lucas 1.67. 
Estes são exemplos de que a investidura de poder é algo marcante e consciente na vida do cristão.  
Ainda para  Lloyd-Jones,  um cristão que está cheio do poder do Espírito deve estar pronto a fazer o que  for necessário para cumprir a vontade do Senhor. Para ele esse acontecimento é um milagre repentino e inesperado, que não depende de modo algum do homem, seja em forma de sacrifício ou disciplina espiritual.
Neste sentido , Deus tem liberdade para pegar um dependente químico, uma prostituta , um ladrão  e tomá-lo  pelo poder do Alto transformado-o instantaneamente em um poderoso evangelista.
Claro que nestes casos subentendemos que   qualquer uma destas pessoas teve a oportunidade de ouvir a poderosa mensagem do evangelho, crer e ser restaurado. Para  Lloyd-Jones esta experiência seria uma capacitação especial de poder para proclamar com intrepidez o Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo. 

É  importante destacar que a experiência  percebida em  atos   é irrepetível, foi um momento   decisivo que marcou o início da história da Igreja. Como dissemos, e frisamos agora, este evento não se repete hoje em dia.
Na Bíblia o que percebemos é uma crescente do alcance do poder divino, como que revestindo com a experiência apostólica, em grau efetivamente menor, em outros contextos. Samaritanos e Romanos recebendo o mesmo poder de atos 2.
Perceba que “Enchei-vos do Espírito” como lemos em Efésios 5.18 é um mandamento e não uma experiência. 
Neste sentido , creio eu , que precisamos ser constantemente revestidos de poder. O que o pentecostalismo enxerga como batismo os protestantes tradicionais enxergam como avivamento.
Temos muitos casos de pessoas que foram impactadas com poder sobrenatural de Deus mas não denominaram isso de "batismo". Percebemos , por exemplo, essa graça fora do comum em John Wesley, Jonathan Edwards, Evan Roberts, Charles Spurgeon, e mais contemporaneamente percebemos os tradicionais John Piper e o Reverendo Hernandes Dias Lopes.
Deus usa homens avivados para avivar a Igreja.
Eu não defendo que estes homens passaram por uma experiência nos moldes pentecostais, pois eu mesmo entendo que estes moldes foram corrompidos. Neste sentido, o que entendo é que estas pessoas nitidamente são agraciadas  por Deus com um poder especial que vem do céu para cumprirem suas missões. Eu chamamo isso de avivamento.
Então qualquer pessoa pode alcançar este nível de espiritualidade?
 Negativo. Nem todos. Isso pertence a Deus e ele concede esta graça em forma de milagre aquele que ele desejar.
Alguns de nós seremos, outros não, isso não nos pertence. Discordo dos que afirmam que basta buscarmos e cada um pode ser um Billy Grahm ou um Spurgeon. Deus não age desta forma . A proposta para os nossos dias é sermos pessoas avivadas em nossa Igreja e em  nossa nação. E isso não é pouco .
O que são pessoas avivadas?
O que são pessoas falsamente avivadas?
Vamos mencionar 3  características para cada uma das perguntas.


O que são pessoas avivadas?

São pessoas cheias do Espírito
 Repetindo o texto  que lemos em Efésios 5.18 ,  "Enchei-vos do Espírito” Pessoas avivadas são aquelas que estão sempre dispostas ao serviço do Senhor. Estão motivadas essencialmente em trazer a glória de Cristo para o meio da sociedade, isso de forma a auxiliar os pobres, ajudar os órfãos, carentes e necessitados, evangelizar os perdidos , ensinar o caminho da verdade aos que estão a corromper-se.

 São pessoas que andam em Espírito
Pessoas avivadas andam em Espírito (Gálatas 6.16) .  Ou seja, buscam a santidade a todo custo , buscando sempre o fruto do Espírito, não satisfazendo os desejos da carne. Pessoas avivadas desejam aprender das Sagradas Escrituras e aplicar elas em suas vidas, desejam obedecer ao Senhor de todo coração. Sua vida perde o sentido se não for uma vida para Cristo.


São pessoas amam a comunhão do Espírito
Pessoas avivadas amam a comunhão com o Espírito Santo e de modo algum querem entristecê-lo.  (Efésios 4.30) . A busca da intimidade com Deus é uma marca inconfundível de que estamos , e somos crentes avivados. O Espírito se entristece com a rebeldia,  desordem, divisão  e a indisciplina. Devemos , pois evitar estas coisas, para que tenhamos uma comunhão profunda com o Espírito Santo.



 O que   são pessoas falsamente avivadas?

São emocionalmente instáveis
Pessoas falsamente avivadas podem muito bem achar que línguas estranhas, pulos , gritos e sapateados são manifestações do poder de Deus. Não são. O que ocorre , em muitas vezes , são apenas manifestações emocionais que prejudicam a ordem do culto. Extravagâncias, gestos espalhafatosos, misticismo, tudo isso pode e deve ser evitado .
 O servo do Senhor tem suas emoções sob controle ( I Cor 4.32), ele as canaliza para,  em atitudes no dia a dia , manifestar a glória de Deus na sociedade.

 Causam divisão por orgulho
Pessoas falsamente avivadas são as que causam divisões na Igreja. Tachando-se de super crentes, super espirituais acabam formando grupos dentro da igreja , grupos de "elite espiritual" trazendo grande prejuízo à unidade e ao crescimento da Igreja. Julgam-se superiores, possuem uma tendência a serem levados ao legalismo.

 Desprezam a Palavra de Deus
Pessoas falsamente avivadas desprezam o conhecimento profundo da Palavra de Deus e por isso usam o famoso bordão " a letra mata mas o Espírito vivifica" ( I Cor 3.6) , notavelmente fora do contexto original . Neste sentido,  elas evitam o estudo bíblico em nome de uma falsa devoção travestida de orgulho e exibicionismo espiritual, alardeando o quanto tempo gastam em "oração"  e quantos "milagres" elas já presenciaram. Tudo lamentavelmente feito para glória e orgulho humano.


De fato o melhor que devemos buscar é uma vida plena  do Espírito, uma vida dinâmica e poderosa, influenciando a sociedade e levando Cristo a ela. 
Por isso o cristão deve buscar sim uma vida inteira na virtude e no poder do Espírito, procurando exercer sua vocação e seu chamado para glória exclusiva de Deus. Este poder é verificado em uma vida em que o fruto do espírito de Gálatas 6  é verificado em abundância e pleno desenvolvimento.
 Não devemos pois buscar uma experiência isolada que nos torne arrogantes e , pretensamente superiores aos outros. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Pais capadócios

A região da Capadócia (também conhecida como Província da Capadócia) era localizada na área centro-oriental da Anatólia na moderna Turquia. Era um dos domínios romanos da região da Ásia Menor. Os Pais Capadócios foram três notáveis teólogos que viveram nesta região entre os concílios de Niceia (325) e o de Constantinopla (381). Sendo que suas contribuições para o Concilio constantinopolitano foram especialmente  relevantes. São eles  Basílio, Gregório de Nazianzo e Gregório de Nissa  e ficaram  conhecidos como os  Padres Capadócios.
Os três foram grandes amigos do assim chamado “Campeão da Ortodoxia” Atanásio, ou Atanásio de Alexandria , e criaram fórmulas para desenvolver a doutrina da Trindade de forma a ser aceita pela maioria dos teólogos da época. Basílio de Cesaréia e Gregório de Nissa eram irmãos, sendo que Basílio, que era seis anos mais velho, foi quem ensinou os princípios elementares da fé a seu irmão mais novo Gregório. Gregório de Nazianzo foi amigo íntimo dos dois, compartil…

Trindade Imanente e Trindade Econômica

Não se pode estudar Teologia do ponto de vista ortodoxo sem refletir a respeito da doutrina Trindade. A grande maioria das Igrejas cristãs abraça esta doutrina. Ela é básica para o Cristianismo.  A Declaração típica do credo cristão histórico é: Cremos em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo .
Os judeus do tempo de Jesus davam muita ênfase à unidade de Deus, e esta ênfase foi trazida para dentro da igreja cristã. Não muito tempo depois,  estudiosos da Bíblia notaram que a Unidade ensinada no Judaísmo não era tão evidente assim como se entendia na época. Analisando as afirmações de Cristo e as revelações do apóstolo Paulo chegou-se a conclusão de uma Triunidade, também chamada de  Trindade .
Tertuliano (ca. 160 - ca. 220 d.C.) foi o teólogo responsável pelo desenvolvimento do termo Trindade, ele criou a palavra “Trindade” (no latim, Trinitas), esse termo desde a sua época tornou-se característico da teologia cristã. Muitos teólogos do cristi…

“Eu te conheci no deserto, em terra muito seca.” (Oseias 13.5.)

O povo de Israel estava sofrendo sobremaneira na terra do Egito e isto já durava 400 anos. Deus  então ouviu o clamor de Israel quando o povo estava na escravidão . Moisés foi usado para libertar o povo. Israel então saiu, livre, para o deserto. Foi ao sair do Egito que eles viram o poder de Deus manifestado. Jamais um povo viu tantas manifestações grandiosas do poder do Altíssimo como Israel na Terra de Faraó. Por dez vezes o povo que os escravizara fora castigado por Deus  de maneira sobrenatural, e Israel viu tudo isso e ficou ileso. Castigos como água transformada em sangue,  plantações destruídas, primogênitos mortos. Mas Israel esteve protegido e não sofreu estas assolações. Mas não foi lá que eles  aprenderam quem era Deus. Foi  na terra seca e inabitável do deserto do Neguev, onde não havia água nem comida e o sol era ardente, que a nação escolhida conheceu ao Senhor. Hoje também, Jesus nos resgatou da maldição do pecado e nos colocou no caminho da vida eterna. Estamos livres e se…