Pular para o conteúdo principal

Dois passos para louvar de coração - Salmo 119.7


Louvar-te-ei com retidão de coração, quando tiver aprendido as tuas retas ordenanças.  Salmo  119.7



Que nos devemos louvar ao Senhor nenhum crente tem dúvida. Isso é claro e evidente como o sol do meio dia.
Parece tão natural que devamos cantar , exaltar ao nosso Criador que ninguém reflete muito sobre este assunto. Não há , parece, muito a ensinar sobre isto, é tudo bem automático, adequado a liturgia de cada denominação: umas erguem as mãos, outros batem palmas, alguns fecham os olhos, há os que cantam junto com o dirigente do culto,  outros gritam a plenos pulmões "glórias" e "aleluia".
Mas é aí que mora o problema das coisas que são demasiado óbvias: ninguém pensa profundamente sobre elas, ninguém para e reflete sobre o que estamos fazendo, como estamos fazendo e para quem realmente estamos fazendo.
Por que ergo as mãos? Se é por que todos também estão erguendo, é costume.
Por que canto com o dirigente? É por que ele é meu amigo e não quero decepcioná-lo?
Por que grito bem alto "aleluia"? Seria mero costume, ou para impressionar o pastor?
Poderia encher uma página inteira com outros motivos como estes. Muitas vezes não percebemos a importância do louvor e como ele deve ser ministrado , ou seja , servido para o Senhor.
Existem dois passos , citados neste versículo 7 do salmo , que devemos dar para que nosso louvor seja aceito por Deus. 


Primeiro passo - buscando um coração sincero
O primeiro passo a dar é em direção a posse de um coração sincero,  um coração reto. Ele anseia pela adoração que brota de um coração agradecido e feliz por estar em sua presença. É disso que Cristo trata no Evangelho de João, capítulo 4, quando diz à  samaritana que os verdadeiros adorarão ao Pai em Espírito e em Verdade. Cantar um hino pensando na conta do dia seguinte ou na crise que assola o país, por exemplo, é mesmo que jogar palavras ao vento, são frases vazias . Lemos em Jó 35.13:
Só gritos vazios Deus não ouvirá, nem atentará para eles o Todo-Poderoso."
O Senhor  não recebe nem se importa, é só um costume, uma simples liturgia , não é louvor. 
Então, o primeiro passo é ter um coração voltado para os céus, para Deus, sendo sincero.


Segundo passo - Buscando a obediência
Não basta dar o primeiro passo, devemos dar o segundo que é   amar e reverenciar ao Senhor com nossa obediência .   Não adianta cantar bem alto, bem bonito, a noite em um culto, se durante o dia enchemos nosso coração de pensamentos sujos, de maldades e de todo tipo de pecado. É imperioso que aprendamos humildemente os mandamentos do Senhor. Busquemos nas Sagradas Escrituras como fazer o que lhe  agrada e só então entoarmos o nosso cântico de louvor. Um passo em direção a obediência ao Senhor.
Naturalmente , após um dia sofrido, chegamos na presença de Deus, com coração arrependido, quebrantado e sinceramente lamentamos alguma falha cometida, pedimos o perdão em nome de Jesus,  e assim podemos começar nosso culto racional , louvando ao Seu Santo Nome com alegria e ainda mais gratidão , pois por  mais um dia o nosso Pai nos deu alegria de estarmos em sua Presença.

  Depois destes passos todo nosso cântico e expressão de louvor será recebido pelo nosso Pai que está nos céus.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Pais capadócios

A região da Capadócia (também conhecida como Província da Capadócia) era localizada na área centro-oriental da Anatólia na moderna Turquia. Era um dos domínios romanos da região da Ásia Menor. Os Pais Capadócios foram três notáveis teólogos que viveram nesta região entre os concílios de Niceia (325) e o de Constantinopla (381). Sendo que suas contribuições para o Concilio constantinopolitano foram especialmente  relevantes. São eles  Basílio, Gregório de Nazianzo e Gregório de Nissa  e ficaram  conhecidos como os  Padres Capadócios.
Os três foram grandes amigos do assim chamado “Campeão da Ortodoxia” Atanásio, ou Atanásio de Alexandria , e criaram fórmulas para desenvolver a doutrina da Trindade de forma a ser aceita pela maioria dos teólogos da época. Basílio de Cesaréia e Gregório de Nissa eram irmãos, sendo que Basílio, que era seis anos mais velho, foi quem ensinou os princípios elementares da fé a seu irmão mais novo Gregório. Gregório de Nazianzo foi amigo íntimo dos dois, compartil…

Trindade Imanente e Trindade Econômica

Não se pode estudar Teologia do ponto de vista ortodoxo sem refletir a respeito da doutrina Trindade. A grande maioria das Igrejas cristãs abraça esta doutrina. Ela é básica para o Cristianismo.  A Declaração típica do credo cristão histórico é: Cremos em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo .
Os judeus do tempo de Jesus davam muita ênfase à unidade de Deus, e esta ênfase foi trazida para dentro da igreja cristã. Não muito tempo depois,  estudiosos da Bíblia notaram que a Unidade ensinada no Judaísmo não era tão evidente assim como se entendia na época. Analisando as afirmações de Cristo e as revelações do apóstolo Paulo chegou-se a conclusão de uma Triunidade, também chamada de  Trindade .
Tertuliano (ca. 160 - ca. 220 d.C.) foi o teólogo responsável pelo desenvolvimento do termo Trindade, ele criou a palavra “Trindade” (no latim, Trinitas), esse termo desde a sua época tornou-se característico da teologia cristã. Muitos teólogos do cristi…

“Eu te conheci no deserto, em terra muito seca.” (Oseias 13.5.)

O povo de Israel estava sofrendo sobremaneira na terra do Egito e isto já durava 400 anos. Deus  então ouviu o clamor de Israel quando o povo estava na escravidão . Moisés foi usado para libertar o povo. Israel então saiu, livre, para o deserto. Foi ao sair do Egito que eles viram o poder de Deus manifestado. Jamais um povo viu tantas manifestações grandiosas do poder do Altíssimo como Israel na Terra de Faraó. Por dez vezes o povo que os escravizara fora castigado por Deus  de maneira sobrenatural, e Israel viu tudo isso e ficou ileso. Castigos como água transformada em sangue,  plantações destruídas, primogênitos mortos. Mas Israel esteve protegido e não sofreu estas assolações. Mas não foi lá que eles  aprenderam quem era Deus. Foi  na terra seca e inabitável do deserto do Neguev, onde não havia água nem comida e o sol era ardente, que a nação escolhida conheceu ao Senhor. Hoje também, Jesus nos resgatou da maldição do pecado e nos colocou no caminho da vida eterna. Estamos livres e se…