Pular para o conteúdo principal

As versões do Antigo Testamento


Muitas são as versões do Antigo Testamento (AT) que chegaram até nós. Os originais já se perderam, o que temos hoje são cópias de cópias. A estas cópias damos o nome de arquétipos e quando existem vários arquétipos iguais chamamos de testemunhas. Conheçamos então algumas destas testemunhas que chegaram até nós.

Texto massorético: 
Os Massoretas (transmissores) introduziram um sistema completo de sinais vocálicos no texto hebraicos. Eles criaram os sinais vocálicos e a pontuação (ou acentuação) que foram adicionados ao texto consonantal. Os massoretas tiveram em atividade de cerca de 500 d.C. até aproximadamente 1.000 d.C. E substituíram os antigos escribas como guardiães do texto sagrado.

Papiros do Mar Morto: 
Descobertos em 1947 em cavernas em redor de Uádi Qumran a noroeste do Mar Morto. Os manuscritos do Mar Morto remontam a cerca de 800 anos antes do texto massorético. Os manuscritos bíblicos do mar Morto nos forneceram pela primeira vez exemplares de textos hebraicos pertencentes aos tempos pré-cristãos, cerca de mil anos mais antigos que os manuscritos mais antigos que possuíamos até então; desta maneira, os papiros do mar Morto nos levam historicamente além da alegada supressão de todos os textos divergentes no ano 100 d.C.

A Geniza do Cairo: 
Descobertos em 1890, na geniza da antiga sinagoga no Cairo. (Geniza era o depósito de rolos não mais apropriados ao uso). Também foram encontradas fragmentos dos targuns e da literatura rabínica. Estima-se que alguns manuscritos sejam anteriores ao séc. IX d.C.

Pentateuco hebraico dos Samaritanos: 
Os samaritanos preservam uma cópia do pentateuco hebraico. Conforme 2 Reis 17:24 e 24:15,16 os samaritanos foram rejeitados como cooperadores na reedificação do templo de Jerusalém, pelos judeus que retornavam do exílio sob a liderança de Esdras e Neemias. Isto provocou o estabelecimento de um centro religioso samaritano separado. Dali por diante o contato religioso e oficial entre as duas comunidades praticamente cessaram, e o texto hebraico do pentateuco (que estava com os samaritanos) passou a ser transmitido sem a interferência e colaboração de escribas judeus.

Targuns: 
Tradução em aramaico do AT hebraico. É uma tradução interpretativa, de algumas porções do AT com o objetivo se servir os Judeus de língua aramaica.

Hexapla: 
Criada por Orígenes (182-254 d.C.) em 240 d.C. Era uma obra em 6 colunas (hexa) contendo: 1. Texto hebraico 2. Texto hebraico transliterado para o Grego 3. Tradução de Aquila 4. Tradução do Símaco 5. LXX 6. Tradução de Teodocião.

LXX ou Septuaginta: 
Mais importante tradução grega do AT. Data do terceiro século antes de Cristo. No reinado de Ptolomeu Filadelfo (285-246 a.C.), seu bibliotecário Aristéias o convenceu da necessidade da tradução das escrituras hebraicas em sua biblioteca real. Para atender ao apelo, o sumo sacerdote de Jerusalém lhe enviou 72 anciãos de Alexandria com uma cópia oficial da lei. Ali em 72 dias concluíram a tradução que foi então apresentada ao rei. Esta tradução beneficiou grandemente os judeus de língua grega.

Versão Siríaca:
 Após a LXX a mais antiga e mais importante tradução das escrituras hebraicas. Usada pela igreja na Síria desde o século nono da nossa era; é também conhecida como pesita (tradução simples em siríaco).



Fonte: 
 Site http://cfteologia.com.br/cf/2018/03/01/textos-e-versoes-do-antigo-testamento/

Novo Dicionário da Bíblia – J.D. Douglas – Editora Vida Nova

Comentários

Blog do Vitor pelo mundo- agora

Total de visualizações