Pular para o conteúdo principal

Não seremos derrotados sem lutar.Salmo 119.81

Desfalece a minha alma pela tua salvação, mas espero na tua palavra. Salmo 119.81


Alma desfalecida, coração em conflito. Ao lermos qualquer um dos 150 salmos percebemos que todos eles são expressivos, todos eles trazem uma fortíssima carga emocional.
Os salmistas choram, cantam, riem, exaltam em voz alta, tocam instrumentos, se iram, se alegram, se deprimem, entristecem. O salmo 119 não é exceção, seu compositor era um homem muito intenso, muito expressivo. 
Porém, neste versículo o salmista diz que sua alma desfalece. Não há sinal daquela intensidade outrora presente em vários versos anteriores. Foi-se sua energia.
Percebam, desfalecer significa causar a diminuição da força; perder a disposição, deixar de possuir a intensidade;
Eu enxergo a alma do salmista definhando-se, energia gasta, alma consumida.  O salmista tem uma sensação de esgotamento,ele estava esperando que Deus lhe viesse trazer  o consolo prometido, mas nesta  espera sua alma havia se afadigado.
Assim como  o escritor deste salmo, há momentos na vida do crente em que sua alma desfalece, suas forças se esgotam.
Não há perspectiva, não há um indício de que as coisas poderiam melhorar, a crise e a dificuldade oprimem e machucam. Não ouvimos o barulho de uma porta de vitoria se abrindo, não ouvimos o som de uma água fresca chegando para saciar nossa sede. Não há nuvem de chuva se aproximando para nossa terra seca.
Nada, não percebemos nada que nos inspire otimismo ou uma expectativa de que a vida possa melhorar. Mesmo assim, apesar das circunstâncias somos convidados a confiar. Lutar é preciso, é imperioso. Desistir não é possível, desistir não faz parte de nosso caráter cristão.
Não podemos deixar que nossa alma fique prostrada, cheia de medo e de desconfiança, não somos derrotados, somos vencedores. A mesma onda que faz um surfista chegar ao topo do campeonato de surfe faz um marujo novato tremer de medo, o que os diferencia é a capacidade de enxergar o que esta onda pode proporcionar.
Na verdade os nosso maiores inimigos são os que mais nos desafiam a crescer. Foi quando Davi enfrentou Golias que vimos como o jovem pastor de ovelhas realmente confiava e dependia de Deus. Foi quando Daniel entrou na cova dos leões é que foi percebido o tamanho  e a qualidade da fé do profeta.
 São eles, nossos adversários, que nos exigem que tenhamos mais confiança em Deus, que dependamos mais Dele. Se nossa alma está a clamar por salvação sabemos de onde vem nosso socorro.
Por isso, não desfaleçamos nesta jornada, não percamos a motivação de prosseguir, pois no momento em que estamos mais cansados, mais aflitos Deus nos proporcionará o escape tão almejado e a alegria para nossa alma. Não seremos derrotados sem luta. Venceremos, Deus é conosco

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Pais capadócios

A região da Capadócia (também conhecida como Província da Capadócia) era localizada na área centro-oriental da Anatólia na moderna Turquia. Era um dos domínios romanos da região da Ásia Menor. Os Pais Capadócios foram três notáveis teólogos que viveram nesta região entre os concílios de Niceia (325) e o de Constantinopla (381). Sendo que suas contribuições para o Concilio constantinopolitano foram especialmente  relevantes. São eles  Basílio, Gregório de Nazianzo e Gregório de Nissa  e ficaram  conhecidos como os  Padres Capadócios.
Os três foram grandes amigos do assim chamado “Campeão da Ortodoxia” Atanásio, ou Atanásio de Alexandria , e criaram fórmulas para desenvolver a doutrina da Trindade de forma a ser aceita pela maioria dos teólogos da época. Basílio de Cesaréia e Gregório de Nissa eram irmãos, sendo que Basílio, que era seis anos mais velho, foi quem ensinou os princípios elementares da fé a seu irmão mais novo Gregório. Gregório de Nazianzo foi amigo íntimo dos dois, compartil…

Trindade Imanente e Trindade Econômica

Não se pode estudar Teologia do ponto de vista ortodoxo sem refletir a respeito da doutrina Trindade. A grande maioria das Igrejas cristãs abraça esta doutrina. Ela é básica para o Cristianismo.  A Declaração típica do credo cristão histórico é: Cremos em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo .
Os judeus do tempo de Jesus davam muita ênfase à unidade de Deus, e esta ênfase foi trazida para dentro da igreja cristã. Não muito tempo depois,  estudiosos da Bíblia notaram que a Unidade ensinada no Judaísmo não era tão evidente assim como se entendia na época. Analisando as afirmações de Cristo e as revelações do apóstolo Paulo chegou-se a conclusão de uma Triunidade, também chamada de  Trindade .
Tertuliano (ca. 160 - ca. 220 d.C.) foi o teólogo responsável pelo desenvolvimento do termo Trindade, ele criou a palavra “Trindade” (no latim, Trinitas), esse termo desde a sua época tornou-se característico da teologia cristã. Muitos teólogos do cristi…

“Eu te conheci no deserto, em terra muito seca.” (Oseias 13.5.)

O povo de Israel estava sofrendo sobremaneira na terra do Egito e isto já durava 400 anos. Deus  então ouviu o clamor de Israel quando o povo estava na escravidão . Moisés foi usado para libertar o povo. Israel então saiu, livre, para o deserto. Foi ao sair do Egito que eles viram o poder de Deus manifestado. Jamais um povo viu tantas manifestações grandiosas do poder do Altíssimo como Israel na Terra de Faraó. Por dez vezes o povo que os escravizara fora castigado por Deus  de maneira sobrenatural, e Israel viu tudo isso e ficou ileso. Castigos como água transformada em sangue,  plantações destruídas, primogênitos mortos. Mas Israel esteve protegido e não sofreu estas assolações. Mas não foi lá que eles  aprenderam quem era Deus. Foi  na terra seca e inabitável do deserto do Neguev, onde não havia água nem comida e o sol era ardente, que a nação escolhida conheceu ao Senhor. Hoje também, Jesus nos resgatou da maldição do pecado e nos colocou no caminho da vida eterna. Estamos livres e se…