Pular para o conteúdo principal

O Dilema do Peregrino. Salmo 119.19

Sou peregrino na terra; não escondas de mim os teus mandamentos.  Salmo 119.19 




O cidadão do mundo moderno está  sempre correndo, sua agenda de compromissos diários está lotada. Tem a prova da faculdade,   seu estudo diário, a hora marcada no dentista, o carnê para pagar, o parente para visitar, o expediente no serviço para cumprir, etc... Na agitação constante da vida, esquecemos a dimensão de nossa finitude. Esta é uma importante categoria na nossa existência, não devemos desprezá-la.
Somos seres passageiros, o salmista mesmo fala:

“Sou peregrino”

Ou seja, ele não é dono da terra, ela não é sua verdadeira habitação.Ele está de passagem.
Imagine-se transportado para um país estranho,  um país de língua e cultura totalmente desconhecidos. Lá você não pode ler o jornal,   comprar um livro, olhar um filme na TV, pois  não entenderá a língua. Não poderá passear ,afinal você não conhece os locais seguros, você não pode abrir conta em banco, nem alugar casa, nada, você não é cidadão deste local. Para piorar um pouco imagine que este país esteja em guerra constante, os inimigos estão sempre à espreita e você está sem saber onde deve se refugiar e em quem pode realmente confiar.
Parece algo absurdo? Trágico? Impossível?
Pois é exatamente assim que o Senhor quer que nós nos sintamos neste mundo, a não ser por um detalhe.  Deus , nosso pai, nos prometeu levar para casa, para o lugar que será para sempre nossa herança, nossa morada, um país totalmente outro, diferente, onde há segurança, felicidade e todos falam a mesma língua e são filhos do mesmo pai.
 O salmista sentia-se seguro somente em Deus, somente nele poderia confiar. Seus amigos, embora pudesse amá-los, sabia que eram frágeis e instáveis, não podia esperar ajuda deles.
De fato , o verdadeiro salvo é peregrino em terra estrangeira. Por isso ele sente-se confuso com esta guerra, com está desilusão, com esta rebeldia dos homens, mentiras, intrigas, com este caos em que o mundo se apresenta. Ele olha em volta e diz;

 “Isso aqui não é para mim, é tudo tão absurdo, guerras, violência, tragédias, traições, corrupções, maldades, mentira, isso aqui não é para mim, eu abomino estas coisas”.

Sabe o que pode confortar o peregrino? Justamente aquilo que os cidadãos naturais deste país mais temem, ou seja, a dimensão de sua finitude. Ele sabe que vai partir, sua estadia é provisória, ele esta ali apenas para cumprir a determinação do seu amoroso pai, que não tardará em chamá-lo para retornar a sua casa. Ele é peregrino .

“Mas a nossa pátria está nos céus, donde também aguardamos um Salvador, o Senhor Jesus Cristo”  Filipenses 3.20

Jesus foi mandado pelo Pai para nos resgatar deste mundo em guerra. Esta guerra não é nossa, é de Deus, somos apenas cooperadores dEle. Somos como este peregrino , lutamos cada dia aguardando que chegue o momento da nossa retirada  em glória para nossa pátria que está nos céus.
Os mandamentos divinos fazem parte da missão que nos foi confiada pelo nosso Senhor. Devemos cumpri-los cabalmente, conforme nossas forças
Não é natural que um filho de Deus sinta medo de partir. O pavor da morte pode atingir aos ímpios, os que praticam as obras das trevas, mas não aos salvos em Cristo, que praticam as obras da luz, conforme a Palavra   ensina.
 Nossa finitude é motivo de alegria, significa que não iremos para sempre amargar esta vida caótica e cheia de perigos, maldades e frustrações.

Este é o dilema do peregrino, ele é chamado para viver em um mundo totalmente diferente da  sua natureza transformada, ele  não pode esquecer de sua condição transitória, ele precisa entender que tudo isso terá um final, e será breve.  Esta expectativa da partida é angustiante para  homem mundano, mas  para o cristão é a esperança de partir para sua herança, o lar eterno e maravilhoso com Jesus.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Pais capadócios

A região da Capadócia (também conhecida como Província da Capadócia) era localizada na área centro-oriental da Anatólia na moderna Turquia. Era um dos domínios romanos da região da Ásia Menor. Os Pais Capadócios foram três notáveis teólogos que viveram nesta região entre os concílios de Niceia (325) e o de Constantinopla (381). Sendo que suas contribuições para o Concilio constantinopolitano foram especialmente  relevantes. São eles  Basílio, Gregório de Nazianzo e Gregório de Nissa  e ficaram  conhecidos como os  Padres Capadócios.
Os três foram grandes amigos do assim chamado “Campeão da Ortodoxia” Atanásio, ou Atanásio de Alexandria , e criaram fórmulas para desenvolver a doutrina da Trindade de forma a ser aceita pela maioria dos teólogos da época. Basílio de Cesaréia e Gregório de Nissa eram irmãos, sendo que Basílio, que era seis anos mais velho, foi quem ensinou os princípios elementares da fé a seu irmão mais novo Gregório. Gregório de Nazianzo foi amigo íntimo dos dois, compartil…

Trindade Imanente e Trindade Econômica

Não se pode estudar Teologia do ponto de vista ortodoxo sem refletir a respeito da doutrina Trindade. A grande maioria das Igrejas cristãs abraça esta doutrina. Ela é básica para o Cristianismo.  A Declaração típica do credo cristão histórico é: Cremos em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo .
Os judeus do tempo de Jesus davam muita ênfase à unidade de Deus, e esta ênfase foi trazida para dentro da igreja cristã. Não muito tempo depois,  estudiosos da Bíblia notaram que a Unidade ensinada no Judaísmo não era tão evidente assim como se entendia na época. Analisando as afirmações de Cristo e as revelações do apóstolo Paulo chegou-se a conclusão de uma Triunidade, também chamada de  Trindade .
Tertuliano (ca. 160 - ca. 220 d.C.) foi o teólogo responsável pelo desenvolvimento do termo Trindade, ele criou a palavra “Trindade” (no latim, Trinitas), esse termo desde a sua época tornou-se característico da teologia cristã. Muitos teólogos do cristi…

A Importância da Reforma nos nossos dias

A Importância da Reforma nos nossos dias

Olá irmãos em Cristo. Estamos em clima de festa, pois no dia 31 de outubro comemoramos o aniversário da Reforma Protestante. E a convite do meu amigo Vitor, estou aqui para fazer um breve texto sobre a importância da Reforma nos nossos dias atuais.
Pouco se ouve falar da Reforma nos nossos dias atuais. A mídia tenta encobrir essa data com o Halloween, e as escolas quando falam sobre o assunto, na maioria dos casos, coloca os reformadores como os “vilões” da história.
A Reforma começou na Alemanha, no ano de 1517, quando o então cardeal da Igreja Católica Martinho Lutero se opôs a algumas regras e normas impostas pela Igreja Católica, como as indulgências, proibição de qualquer pessoa ler a Bíblia, o uso de imagens de santos nos cultos etc. E então, no dia 31 de outubro de 1517, Lutero coloca na parede da Catedral de Wittenberg as suas 95 Teses. E nessas teses, Lutero coloca suas oposições à grande parte daquilo que o catolicismo pregava, propagand…