Pular para o conteúdo principal

Gosto ou não gosto. Salmo 119.18

Abre tu os meus olhos, para que veja as maravilhas da tua lei.  Salmo 119.18



Eu tinha um conhecido que  não gostava de azeitona, perguntei se alguma vez ele havia experimentado  e achado o gosto ruim,  sua resposta imediata foi não, nunca havia provado. Insisti então para que ele experimentasse. Relutante , pegou uma azeitona do pode que lhe alcancei e colocou na boca rapidamente. Depois de provar, admirado,   ele se encantou pelo sabor da azeitona, tornou-se um apreciador da famosa verde oliva.
 Como alguém pode ter tanta certeza de não gostar de algo que não conhece nem um pouco?
Esse tipo de coisa é mais comum do que parece. Eu  fui assim , preconceituoso, com o salmo 119. Fiz uma leitura corrida quando me propus a ler a Bíblia toda de capa a capa. Depois nunca mais havia procurado este salmo, visto sua extensão ser desafiadora. Puro preconceito. Devemos refletir,  nem toda leitura longa é entediante,  há livros que por mais páginas que tenham sempre se tornam curtos para o leitor. São verdadeiras obras de arte, instigam uma leitura atenta que nos fazem desejar a continuação da história.
Sobre outro aspecto, há pessoas que julgam os cristãos escravos , que não tem liberdade alguma e que  estão presos à rigidez e austeridade de uma lei caduca. Para tais, ser cristão é chato, maçante, os fiéis são carrancudos e tristonhos por   não poderem aproveitar a vida. É muito fácil desgostar daquilo que se conhece. Mas isso demonstra    preconceito e falta de sabedoria.São os anticristãos.

Gostaria uma vez de fazer uma pergunta a estas pessoas:

"Você já experimentou uma vida plena do Espírito Santo ?"
ou ainda
" Você já pensou , alguma vez, o quanto podemos ter prazer e nos sentirmos bem ao obedecermos a vontade de Deus?"

Claro que a resposta, se for sincera, será não. Estas  pessoas   nunca experimentaram Cristo em suas vidas, nunca provaram o poder da obediência à Palavra de Deus. Nem cogitam tal possibilidade. Por isso julgam chato e maçante a leitura bíblica. É questão de gosto. Dizem "eu não gosto" sem experimentar.

Mas os verdadeiros filhos de Deus devem se deleitar em descobrir as maravilhas do conhecimento de Deus. Também é questão de gosto.

Existem muitas pessoas, eu entre elas, que estão simplesmente encantadas com as grandes riquezas de sabedoria encontradas nas Escrituras. Lemos Provérbios, eles são magníficos, pérolas de sabedoria. Ou então os Salmos, todos eles expressam com profundidade  sentimentos da alma humana. Ou ainda o livro de Romanos ,onde temos uma monumental exposição sobre a salvação em Jesus pela fé.
Quanto mais conhecemos de Deus mais desejamos conhecer, isso nos revigora, anima, nos infunde esperança.
Mas é sabido que olhos naturais não percebem esta gloriosa exuberância. Para enxergar as profundezas  e aproveitar corretamente este tesouro é necessário que Deus abra nossos olhos. Somos todos cegos para as maravilhas divinas, todos ignorantes, tão acostumados ao pecado que não visualizamos toda opulência deste manancial de vida que é a Bíblia.
Mas havendo um milagre os olhos se abrem, da mesma forma que Cristo abriu os olhos do Cego de Jericó ( Marcos 10.46-52 ), hoje ele abre os olhos de muitas pessoas para enxergarem as maravilhas da Palavra de Deus.
Peçamos como o salmista, "abre meus olhos para ver a maravilha dos teus preceitos."

Depois de conhecer você poderá responder: gosto ou não gosto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Pais capadócios

A região da Capadócia (também conhecida como Província da Capadócia) era localizada na área centro-oriental da Anatólia na moderna Turquia. Era um dos domínios romanos da região da Ásia Menor. Os Pais Capadócios foram três notáveis teólogos que viveram nesta região entre os concílios de Niceia (325) e o de Constantinopla (381). Sendo que suas contribuições para o Concilio constantinopolitano foram especialmente  relevantes. São eles  Basílio, Gregório de Nazianzo e Gregório de Nissa  e ficaram  conhecidos como os  Padres Capadócios.
Os três foram grandes amigos do assim chamado “Campeão da Ortodoxia” Atanásio, ou Atanásio de Alexandria , e criaram fórmulas para desenvolver a doutrina da Trindade de forma a ser aceita pela maioria dos teólogos da época. Basílio de Cesaréia e Gregório de Nissa eram irmãos, sendo que Basílio, que era seis anos mais velho, foi quem ensinou os princípios elementares da fé a seu irmão mais novo Gregório. Gregório de Nazianzo foi amigo íntimo dos dois, compartil…

Trindade Imanente e Trindade Econômica

Não se pode estudar Teologia do ponto de vista ortodoxo sem refletir a respeito da doutrina Trindade. A grande maioria das Igrejas cristãs abraça esta doutrina. Ela é básica para o Cristianismo.  A Declaração típica do credo cristão histórico é: Cremos em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo .
Os judeus do tempo de Jesus davam muita ênfase à unidade de Deus, e esta ênfase foi trazida para dentro da igreja cristã. Não muito tempo depois,  estudiosos da Bíblia notaram que a Unidade ensinada no Judaísmo não era tão evidente assim como se entendia na época. Analisando as afirmações de Cristo e as revelações do apóstolo Paulo chegou-se a conclusão de uma Triunidade, também chamada de  Trindade .
Tertuliano (ca. 160 - ca. 220 d.C.) foi o teólogo responsável pelo desenvolvimento do termo Trindade, ele criou a palavra “Trindade” (no latim, Trinitas), esse termo desde a sua época tornou-se característico da teologia cristã. Muitos teólogos do cristi…

“Eu te conheci no deserto, em terra muito seca.” (Oseias 13.5.)

O povo de Israel estava sofrendo sobremaneira na terra do Egito e isto já durava 400 anos. Deus  então ouviu o clamor de Israel quando o povo estava na escravidão . Moisés foi usado para libertar o povo. Israel então saiu, livre, para o deserto. Foi ao sair do Egito que eles viram o poder de Deus manifestado. Jamais um povo viu tantas manifestações grandiosas do poder do Altíssimo como Israel na Terra de Faraó. Por dez vezes o povo que os escravizara fora castigado por Deus  de maneira sobrenatural, e Israel viu tudo isso e ficou ileso. Castigos como água transformada em sangue,  plantações destruídas, primogênitos mortos. Mas Israel esteve protegido e não sofreu estas assolações. Mas não foi lá que eles  aprenderam quem era Deus. Foi  na terra seca e inabitável do deserto do Neguev, onde não havia água nem comida e o sol era ardente, que a nação escolhida conheceu ao Senhor. Hoje também, Jesus nos resgatou da maldição do pecado e nos colocou no caminho da vida eterna. Estamos livres e se…