Pular para o conteúdo principal

A Doutrina da Segunda Chance


Eu fui um  assembleiano de longa data  e já tive oportunidade de  ouvir   pregadores ensinarem uma espécie de segunda chance após o arrebatamento.


Este ensino defende que após o arrebatamento da Igreja os crentes que ficarem por não estarem apercebidos e preparados terão uma nova chance de serem salvos, mesmo que a porta da graça esteja fechada. Os tais crentes seriam salvos mediante a entrega de suas vidas e seriam degolados pelo Anticristo durante a Grande Tribulação quando se recusarem a negar o nome de Jesus. Este tipo de ensino é defendido por grande parte do pentecostalismo atual especialmente pelos que são pré - tribulacionistas , pré-milenistas e dispensacionalistas. (Clique aqui  para saber mais sobre estas doutrinas)
De fato, eu  não acredito na doutrina da segunda chance. Essa é uma doutrina muito perigosa , na medida que vai contra a ideia de que é necessário permanecer em estado de alerta constante pois não sabemos nem o dia nem a hora em que Cristo virá buscar sua Igreja. Quem fez parte da Igreja e não subiu, quem participou da Igreja e não esteve alerta e vigilante estará condenado.
Tem muito cristão dizendo por aí que, se não for arrebatado, pretende resistir a besta Anticristo e não aceitará a marca 666, mesmo que morra.

O Ensino da segunda chance é perigoso e equivocado. É completamente incompatível com os ensinos de Jesus. No mínimo 3 parábolas são claramente contrárias a ideia de que teremos uma segunda chance. A Parábola do Joio e do Trigo , a Parábola da Rede ao Mar e a Parábola das 10 virgens.


A Parábola do Joio e do Trigo

“Propôs-lhes outra parábola, dizendo: O reino dos céus é semelhante ao homem que semeia boa semente no seu campo; mas, dormindo os homens, veio o seu inimigo, e semeou o joio no meio do trigo, e retirou-se. E, quando a erva cresceu e frutificou, apareceu também o joio. E os servos do pai de família, indo ter com ele, disseram-lhe: Senhor, não semeaste tu no teu campo boa semente? Por que tem então joio? E ele lhes disse: Um inimigo é que fez isso. E os servos lhe disseram: Queres pois que vamos arrancá-lo? Porém ele lhes disse: Não; para que ao colher o joio não arranqueis também o trigo com ele. Deixai crescer ambos juntos até à ceifa; e, por ocasião da ceifa, direi aos ceifeiros: Colhei primeiro o joio, e atai-o em molhos para queimar, mas o trigo ajuntai-o no meu celeiro.( Mateus 13.24-30)

De acordo com esta parábola os anjos , no tempo preparado por Deus realizarão a colheita, em que ocorrerá a separação entre os justos e os injustos. Neste dia, os salvos que são a Igreja fiel serão arrebatados, eles se juntarão a Cristo nos ares, ganhando o direito de entrar no reino do Pai. Os maus e os iníquos que representam o joio , ou seja a parte da Igreja infiel que não teme de coração a Deus e nem anda nos caminhos de Cristo, serão deixados para receberem a condenação.



Parábola da Rede ao Mar

Igualmente o reino dos céus é semelhante a uma rede lançada ao mar, e que apanha toda a qualidade de peixes. E, estando cheia, a puxam para a praia; E, assentando-se, apanham para os cestos os bons; os ruins, porém, lançam fora. Assim será na consumação dos séculos: virão os anjos, e separarão os maus dentre os justos. E lançá-los-ão na fornalha de fogo: ali haverá pranto e ranger de dentes.” (Mateus 13.47-50)

Da mesma forma que da anterior, esta parábola trata da consumação dos tempos, a rede lançada ao mar é o evangelho pregado no mar das nações, que traz para si tanto peixes bons, como peixes maus. Mas, quando for pregado a palavra em todo o mundo, e se completar o número de pessoas a serem salvas, então o Senhor puxará a rede para a praia (através do arrebatamento), separando os justos dos ímpios.


Parábola das 10 virgens

“Então o reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram ao encontro do esposo. E cinco delas eram prudentes, e cinco loucas. As loucas, tomando as suas lâmpadas, não levaram azeite consigo. Mas as prudentes levaram azeite em suas vasilhas, com as suas lâmpadas. E, tardando o esposo, tosquenejaram todas, e adormeceram, mas à meia-noite ouviu-se um clamor; aí vem o esposo, saí-lhe ao encontro. Então todas aquelas virgens se levantaram, e prepararam as suas lâmpadas. E as loucas disseram às prudentes: Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas se apagam. Mas as prudentes responderam, dizendo: não seja que nos falte a nós e a vós, ide antes aos que o vendem, e comprai-o para vós. E, tendo elas ido comprá-lo, chegou o esposo, e as que estavam preparadas entraram com ele para as bodas, e fechou-se a porta. E depois chegaram também as outras virgens, dizendo: Senhor, Senhor, abre-nos. E ele, respondendo, disse: Em verdade vos digo que não vos conheço.” (Mateus 25:1-13)

Na leitura natural da parábola fica claro que a porta será fechada e as virgens loucas, ou seja os crentes nominais não entrarão , mas serão deixadas. Pelo contrário, as virgens sensatas foram levadas e entrarão para estar com o noivo por que eram prudentes e estavam preparadas com suas lâmpadas repletas de azeite ( que nesta parábola simboliza o Espírito Santo) .
 Já para a igreja apóstata e infiel (considerando a  metade ou mais) não haverá outra chance visto que Jesus dirá:
“Em verdade vos digo que não vos conheço”.
Jesus em várias passagens nos alerta para sermos vigilantes. Por que Ele avisaria, se houvesse chance de salvação depois?


Para deixar mais nítido este assunto informamos a quem já não tenha percebido, que nem no livro do Apocalipse, nem mais nenhum trecho das Escrituras , está previsto um segundo Arrebatamento para os que ficarem durante a Grande Tribulação, pois o Arrebatamento da Igreja de Jesus Cristo será único e ocorrerá antes da Grande Tribulação (Lc 17:26-29, Is 57:1, Ap 3:10, I Ts 5:9, A Grande Tribulação vai vir para aqueles que rejeitam a Jesus, que não querem aceitar Jesus, ou que vivem na hipocrisia , na iniquidade e não se comprometem com a verdade de Jesus. Para estes vai vir a Grande Tribulação.
Leiamos mais um texto.

"Quem quiser preservar a sua vida perdê-la-á; e quem a perder de fato a salvará. Digo-vos que, naquela noite, dois estarão numa cama; um será tomado, e deixado o outro; duas mulheres estarão juntas moendo; uma será tomada, e deixada a outra. Dois estarão no campo; um será tomado, e o outro, deixado. Então, lhe perguntaram: Onde será isso, Senhor? Respondeu-lhes: Onde estiver o corpo, aí se ajuntarão também os abutres." Lucas 17:33-37

Este trecho bíblico afirma a mesma coisa. Um será tomado (arrebatado) e o outro deixado. Parte da Igreja será arrebatada e outra deixada. Jesus jamais afirma que a Igreja deixada terá nova oportunidade de salvação eterna.

Para os apóstatas e infiéis não há mais salvação. Não haverá mais nenhuma proteção para eles, estão perdidos e condenados inexoravelmente.



Existirá salvação na Grande Tribulação?


Sim haverá, mas não para a Igreja apóstata, mas sim para os Judeus que estão espalhados pelos 4 cantos do mundo.” Haverá uma pregação intensa no meio de um também intensa perseguição, muitos que nunca ouviram o evangelho e muitos judeus serão salvos naqueles dias de Tribulação. Neste caso percebemos os 144.000 são descritos como servos de Deus provenientes das tribos dos filhos de Israel . Deus assinalará ou marcará as suas testas para indicar a sua consagração a Deus e que pertencem a Ele
Talvez sejam os primeiros convertidos de uma grande colheita de almas ganhas para Deus , dentre todas as nações e tribos e povos e línguas , durante a tribulação .
Entendemos que esses novos crentes dentre filhos de Israel serão comissionados e capacitados pelo Espirito Santo para pregar o evangelho durante os negros dias da tribulação.”Será o momento da salvação Nacional de Israel, uma conversão de muitos judeus . A Nação de Israel lsendo levantada novamente. A preparação de tal nação (veja Ez 20.37,38; Zc 13.1,8,9) resultará na salvação da nação no segundo advento, como prometido em Romanos 11.27. As promessas nacionais podem ser cumpridas porque Deus, pelo Espírito Santo, redimiu um remanescente em Israel ao qual e por meio do qual as alianças podem ser cumpridas.




Comentários

  1. Ótimo, escatologia é um árduo campo, mas alguém precisa ará-lo. Que Deus continue abençoando, continue escrevendo para edificação da igreja e glória do nome de Cristo.

    ResponderExcluir
  2. Importante, bem esclarecedor, principalmente dentro do estudo escatológico, não é incomum que se façam análises levianas, superficiais e descontextualizada que deveras suprimem ou aglutinam eventos escatológicos que, por sua vez, bem como todo texto bíblico merecem análise detida do texto como todo para que sem desprezo de qualquer detalhe a Palavra não seja avistada. Deus abençoe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ... Errata... Para que a Palavra não seja aviltada.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os Pais capadócios

A região da Capadócia (também conhecida como Província da Capadócia) era localizada na área centro-oriental da Anatólia na moderna Turquia. Era um dos domínios romanos da região da Ásia Menor. Os Pais Capadócios foram três notáveis teólogos que viveram nesta região entre os concílios de Niceia (325) e o de Constantinopla (381). Sendo que suas contribuições para o Concilio constantinopolitano foram especialmente  relevantes. São eles  Basílio, Gregório de Nazianzo e Gregório de Nissa  e ficaram  conhecidos como os  Padres Capadócios.
Os três foram grandes amigos do assim chamado “Campeão da Ortodoxia” Atanásio, ou Atanásio de Alexandria , e criaram fórmulas para desenvolver a doutrina da Trindade de forma a ser aceita pela maioria dos teólogos da época. Basílio de Cesaréia e Gregório de Nissa eram irmãos, sendo que Basílio, que era seis anos mais velho, foi quem ensinou os princípios elementares da fé a seu irmão mais novo Gregório. Gregório de Nazianzo foi amigo íntimo dos dois, compartil…

“Eu te conheci no deserto, em terra muito seca.” (Oseias 13.5.)

O povo de Israel estava sofrendo sobremaneira na terra do Egito e isto já durava 400 anos. Deus  então ouviu o clamor de Israel quando o povo estava na escravidão . Moisés foi usado para libertar o povo. Israel então saiu, livre, para o deserto. Foi ao sair do Egito que eles viram o poder de Deus manifestado. Jamais um povo viu tantas manifestações grandiosas do poder do Altíssimo como Israel na Terra de Faraó. Por dez vezes o povo que os escravizara fora castigado por Deus  de maneira sobrenatural, e Israel viu tudo isso e ficou ileso. Castigos como água transformada em sangue,  plantações destruídas, primogênitos mortos. Mas Israel esteve protegido e não sofreu estas assolações. Mas não foi lá que eles  aprenderam quem era Deus. Foi  na terra seca e inabitável do deserto do Neguev, onde não havia água nem comida e o sol era ardente, que a nação escolhida conheceu ao Senhor. Hoje também, Jesus nos resgatou da maldição do pecado e nos colocou no caminho da vida eterna. Estamos livres e se…

Filipe o Evangelista - Vivendo na Dinâmica do Espírito

Filipe Diácono e Evangelista Filipe foi um evangelista, foi  um dos primeiros seguidores de Jesus e  um dos Setenta Discípulos (Lucas 10) . Junto com Estêvão, era um dos sete “homens acreditados, cheios de espírito e de sabedoria” , escolhidos para a distribuição de alimentos entre as viúvas cristãs em Jerusalém (Atos 6:1-6).  Filipe foi a Samaria; proclamou ali o evangelho, realizou milagres,  e como resultado muitos aceitaram a mensagem e foram batizados ( veja Atos 8.4-13). Logo depois batizou um eunuco da Etiópia e foi "arrebatado" até Asdode, de onde seguiu pregando até Cesareia. Anos mais tarde, morou em Cesareia, onde pregava com suas quatro filhas. Por volta do ano 56d.C. foi visitado por Paulo e Lucas que ficaram por um tempo em sua casa.  A tradição diz que ele residiu em Trales se tornando bispo da Igreja local.  Vamos a o relato mais significativo da vida de Filipe. A história de Filipe e o Etíope.

Atos 8.26-40
26 -  Mas um anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: Lev…