Pular para o conteúdo principal

Ele é Bom e Faz o Bem. Salmos 119.68

Tu és bom e fazes bem; ensina-me os teus estatutos.
Salmos 119.68



É sabido que todas as pessoas bem intencionadas desejem naturalmente fazer o bem, porém desejar não é o mesmo que praticar.
Há muitas pessoas bem intencionadas e sinceras fazendo coisas erradas. Não basta, pois querer fazer o bem é necessário saber fazer o bem.
Há os que sabem fazer e não o fazem, estes são os maus. Há os que praticam o bem e o praticam por que assim desejam , estes são os bons. E por último, há os que querem fazer o bem, mas não sabem como, estes são os piores. E por que os últimos são piores? Eles não são ao menos bem intencionados?
O fato é que não basta ser bem intencionado, pessoas bem intencionadas, mas completamente ignorantes cometem falhas monumentais, causam danos gigantescos e ainda justificam suas mancadas em nome da suposta "boa intenção". Isso os livra de sentirem-se culpados diante de suas péssimas ações. No mundo cristão este tipo pessoa pode justificar quase qualquer pecado ou má atitude em nome da boa intenção.
Ok, mas alguém poderia objetar: "Mas tal pessoa não pratica coisas más, ela só deixa de fazer coisas boas”. Este argumento não justifica ninguém diante de Deus. A Bíblia chama este tipo pessoa como indolente, como negligente. A Bíblia condena a negligência como qualquer outro pecado, seja do coração ou por atitude. O Apóstolo Tiago fala em sua carta, no capítulo 4, versículo 17:
"Refleti sobre isto, pois: Quem sabe que deve fazer o bem e não o faz, comete pecado."

Mas não basta o querer, é preciso o praticar. O desejo de praticar o bem é essencial, mas não é suficiente. O que realmente muda as coisas é a prática, e não qualquer prática, mas a prática refletida, planejada e estudada. O dever do cristão é pautar suas boas práticas pelo padrão da Palavra, e isso ele só poderá fazer se tiver um coração voltado à aprendizagem humilde e aplicada a que devemos nos submeter por intermédio do Espírito Santo;

Todos nós temos sonhos, objetivos. Metas a cumprir os objetivos guiam nossos planos de decisões. Você desejar algo faz com que você molde seus planos, que ajudará em muitas decisões cruciais. Há homens maus, que agem motivados por "boas intenções". Isso não os torna bons, afinal suas ações são totalmente malignas pois seus corações acham que é bom o que na verdade é mau. Homens bons praticam coisas boas. Homens maus praticam obras más.
Deus é fonte de toda e qualquer bondade, para sermos bons só aprendendo como nosso Senhor , afinal , Ele é bom e Ele faz o bem.


O mundo não melhora só com boas intenções, é preciso ideias, planos , metas e disposição para enfrentar desafios. Os homens bons, os homens que tem Deus no coração, estão sempre aplicados a buscar do Altíssimo sua segurança e orientação de vida diariamente para poderem executar o bem, as coisas boas que eles precisam e querem realizar.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os Pais capadócios

A região da Capadócia (também conhecida como Província da Capadócia) era localizada na área centro-oriental da Anatólia na moderna Turquia. Era um dos domínios romanos da região da Ásia Menor. Os Pais Capadócios foram três notáveis teólogos que viveram nesta região entre os concílios de Niceia (325) e o de Constantinopla (381). Sendo que suas contribuições para o Concilio constantinopolitano foram especialmente  relevantes. São eles  Basílio, Gregório de Nazianzo e Gregório de Nissa  e ficaram  conhecidos como os  Padres Capadócios.
Os três foram grandes amigos do assim chamado “Campeão da Ortodoxia” Atanásio, ou Atanásio de Alexandria , e criaram fórmulas para desenvolver a doutrina da Trindade de forma a ser aceita pela maioria dos teólogos da época. Basílio de Cesaréia e Gregório de Nissa eram irmãos, sendo que Basílio, que era seis anos mais velho, foi quem ensinou os princípios elementares da fé a seu irmão mais novo Gregório. Gregório de Nazianzo foi amigo íntimo dos dois, compartil…

“Eu te conheci no deserto, em terra muito seca.” (Oseias 13.5.)

O povo de Israel estava sofrendo sobremaneira na terra do Egito e isto já durava 400 anos. Deus  então ouviu o clamor de Israel quando o povo estava na escravidão . Moisés foi usado para libertar o povo. Israel então saiu, livre, para o deserto. Foi ao sair do Egito que eles viram o poder de Deus manifestado. Jamais um povo viu tantas manifestações grandiosas do poder do Altíssimo como Israel na Terra de Faraó. Por dez vezes o povo que os escravizara fora castigado por Deus  de maneira sobrenatural, e Israel viu tudo isso e ficou ileso. Castigos como água transformada em sangue,  plantações destruídas, primogênitos mortos. Mas Israel esteve protegido e não sofreu estas assolações. Mas não foi lá que eles  aprenderam quem era Deus. Foi  na terra seca e inabitável do deserto do Neguev, onde não havia água nem comida e o sol era ardente, que a nação escolhida conheceu ao Senhor. Hoje também, Jesus nos resgatou da maldição do pecado e nos colocou no caminho da vida eterna. Estamos livres e se…

Filipe o Evangelista - Vivendo na Dinâmica do Espírito

Filipe Diácono e Evangelista Filipe foi um evangelista, foi  um dos primeiros seguidores de Jesus e  um dos Setenta Discípulos (Lucas 10) . Junto com Estêvão, era um dos sete “homens acreditados, cheios de espírito e de sabedoria” , escolhidos para a distribuição de alimentos entre as viúvas cristãs em Jerusalém (Atos 6:1-6).  Filipe foi a Samaria; proclamou ali o evangelho, realizou milagres,  e como resultado muitos aceitaram a mensagem e foram batizados ( veja Atos 8.4-13). Logo depois batizou um eunuco da Etiópia e foi "arrebatado" até Asdode, de onde seguiu pregando até Cesareia. Anos mais tarde, morou em Cesareia, onde pregava com suas quatro filhas. Por volta do ano 56d.C. foi visitado por Paulo e Lucas que ficaram por um tempo em sua casa.  A tradição diz que ele residiu em Trales se tornando bispo da Igreja local.  Vamos a o relato mais significativo da vida de Filipe. A história de Filipe e o Etíope.

Atos 8.26-40
26 -  Mas um anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: Lev…