Pular para o conteúdo principal

Destruindo e refazendo projetos. Salmos 119.59

Refleti sobre os meus caminhos, e retornei os meus pés para os teus testemunhos. Salmos 119.59



O Programador está ali sentado a horas, ele  planeja, pensa, executa mais um código, mais um detalhe. Ufa! Está pronto,  acabado. Quando ele dá uma olhada melhor , percebe uma falha, num impulso joga todo seu projeto fora.
O Arquiteto está a fazer seu projeto, ele desenha, calcula, desenha de novo, pensa, coloca na planilha, volta ao desenho. O seu desenho demorou dias, mas está quase pronto. De relance ele percebe que no projeto falta um detalhe estrutural de fundamental importância,  todo seu trabalho deve ser abandonado e ele, sem pensar duas vezes, amassa sua folha e parte para um novo desenho.
O Pintor esta ali, há dias, inspirado, pinta, para, pensa, pinta de novo, prepara a tinta. Ele está concentrado, dedica-se profundamente à sua obra. Quando ele se dá conta que há um erro incontornável no quadro, de um pulo ele salta e destrói o quadro com tudo o que havia gastado dias para fazer.

Considerar os caminhos significa refletir sobre como estamos a andar, como estamos  a viver. Tal qual o Programador, o Arquiteto e o Pintor desta ilustração, nós também precisamos reconsiderar nossos caminhos e, em alguns casos, jogar fora tudo que começamos, não importa o tempo que levamos construindo. Se o projeto tem falha estrutural grave ele está fatalmente comprometido, não deve ser levando a diante.

Não é muito incomum que tomemos decisões erradas e comecemos projetos que nos afastem dos planos do Senhor para nossa vida. Nestes momentos , por mais complicado e duro que pareça é necessário atirar no lixo do esquecimento estes projetos.
Assim como o salmista é imperioso que voltemos o mais rapidamente possível para os planos que o Senhor tem para nós. Não mais aguardar, não mais protelar, não mais olhar de outro ponto de vista nossos sonhos , nossos desejos. O ser humano tem esta tendência desditosa de olhar com muito carinho , com muita benevolência para seus projetos e os supervaloriza, isso dificulta quando Deus diz que estes planos nada tem a ver com a vontade Dele para nossa vida.
Sabemos, e cremos que Deus sabe o que é melhor para mim e para você muito melhor do que qualquer amigo , parente ou até  nós mesmos. Mesmo assim quando percebemos que andamos por caminhos que projetamos e que desagradam a Deus, temos dificuldade em abandoná-los.
O servo de Deus considera bem os seus caminhos, ele reflete com seriedade sobre os passos que tem dado e , se for preciso ele para na estrada onde tem com tanta disposição e por tanto tempo seguido,  para abraçar novamente o caminho magnífico do Senhor para sua vida.
Mas é preciso deixar os nossos caminhos para seguir o caminho do Senhor. É preciso aniquilar completamente os nossos sonhos para viver a vida abundante que Deus tem para nós. É preciso quebrar as estruturas , os detalhes tão bem planejados, tão bonitos aos nossos olhos, as belezas, as bem feituras, os arremates que sonhamos.  Só depois disto é que Deus nos fará plenamente satisfeitos em sua vontade. Enquanto desejamos nossos sonhos não conseguimos ver nem desejar os planos de Deus.

Talvez seja hora de destruir, esmigalhar sem dó nem piedade, quebrar em pedacinhos algum caminho que venhamos seguindo , algum projeto tão belamente sonhado e planejado , para agradar ao Senhor, mas se for este o caso , podemos ter certeza de que o nosso Deus nos recompensará.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Pais capadócios

A região da Capadócia (também conhecida como Província da Capadócia) era localizada na área centro-oriental da Anatólia na moderna Turquia. Era um dos domínios romanos da região da Ásia Menor. Os Pais Capadócios foram três notáveis teólogos que viveram nesta região entre os concílios de Niceia (325) e o de Constantinopla (381). Sendo que suas contribuições para o Concilio constantinopolitano foram especialmente  relevantes. São eles  Basílio, Gregório de Nazianzo e Gregório de Nissa  e ficaram  conhecidos como os  Padres Capadócios.
Os três foram grandes amigos do assim chamado “Campeão da Ortodoxia” Atanásio, ou Atanásio de Alexandria , e criaram fórmulas para desenvolver a doutrina da Trindade de forma a ser aceita pela maioria dos teólogos da época. Basílio de Cesaréia e Gregório de Nissa eram irmãos, sendo que Basílio, que era seis anos mais velho, foi quem ensinou os princípios elementares da fé a seu irmão mais novo Gregório. Gregório de Nazianzo foi amigo íntimo dos dois, compartil…

Trindade Imanente e Trindade Econômica

Não se pode estudar Teologia do ponto de vista ortodoxo sem refletir a respeito da doutrina Trindade. A grande maioria das Igrejas cristãs abraça esta doutrina. Ela é básica para o Cristianismo.  A Declaração típica do credo cristão histórico é: Cremos em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo .
Os judeus do tempo de Jesus davam muita ênfase à unidade de Deus, e esta ênfase foi trazida para dentro da igreja cristã. Não muito tempo depois,  estudiosos da Bíblia notaram que a Unidade ensinada no Judaísmo não era tão evidente assim como se entendia na época. Analisando as afirmações de Cristo e as revelações do apóstolo Paulo chegou-se a conclusão de uma Triunidade, também chamada de  Trindade .
Tertuliano (ca. 160 - ca. 220 d.C.) foi o teólogo responsável pelo desenvolvimento do termo Trindade, ele criou a palavra “Trindade” (no latim, Trinitas), esse termo desde a sua época tornou-se característico da teologia cristã. Muitos teólogos do cristi…

“Eu te conheci no deserto, em terra muito seca.” (Oseias 13.5.)

O povo de Israel estava sofrendo sobremaneira na terra do Egito e isto já durava 400 anos. Deus  então ouviu o clamor de Israel quando o povo estava na escravidão . Moisés foi usado para libertar o povo. Israel então saiu, livre, para o deserto. Foi ao sair do Egito que eles viram o poder de Deus manifestado. Jamais um povo viu tantas manifestações grandiosas do poder do Altíssimo como Israel na Terra de Faraó. Por dez vezes o povo que os escravizara fora castigado por Deus  de maneira sobrenatural, e Israel viu tudo isso e ficou ileso. Castigos como água transformada em sangue,  plantações destruídas, primogênitos mortos. Mas Israel esteve protegido e não sofreu estas assolações. Mas não foi lá que eles  aprenderam quem era Deus. Foi  na terra seca e inabitável do deserto do Neguev, onde não havia água nem comida e o sol era ardente, que a nação escolhida conheceu ao Senhor. Hoje também, Jesus nos resgatou da maldição do pecado e nos colocou no caminho da vida eterna. Estamos livres e se…