Pular para o conteúdo principal

Perseverance of Saints - Perseverança dos Santos - TULIP 5

A Doutrina da Perseverança dos Santos é a última doutrina da TULIP e uma consequência natural das anteriores.

Esta doutrina ensina que os eleitos, os santos que foram remidos no sangue de Cristo, estão seguros de sua salvação e não estão a correr o risco de perdê-la a qualquer instante. Ela também é conhecida como Segurança Eterna dos crentes e aponta para o  caráter definitivo e irremovível do sacrifício de Jesus no Calvário.Aqueles por quem Cristo morreu estão seguros, estão confiantes, aguardam sua salvação confiantes que o Senhor que os resgatou da maldição é fiel e irá completar a boa obra que começou em suas vidas.

A jornada pode ser longa, o caminho estreito, a estrada árida, cansativa, as dificuldades e provações grandes, mas Deus nos garante que chegaremos Lá, nos Céus , na Eternidade com Cristo. 
Percebam que os crentes verdadeiros caem em tentações e cometem pecados, até mesmo graves pecados,  mas esses pecados não os levam a perder a salvação ou a separá-los de Cristo.
Lemos no livro de Hebreus 12.5 -7:

 E estais esquecidos da Palavra de encorajamento que Ele vos dirige como a filhos: “Meu filho, não desprezeis a disciplina do Senhor, nem desanimeis quando por Ele sois repreendido, pois o Senhor disciplina a quem ama, e educa todo aquele a quem recebe como filho”. Suportai as dificuldades, aceitando-as como disciplina; Deus vos trata como filhos. Ora, qual o filho que não passa pela correção do seu pai?


O Senhor disciplina seus filhos, seus eleitos. Ele os trata de maneira a confrontá-los com seu pecado a se arrependerem e abandonarem seus erros. Isso através da sua amorosa disciplina infalível.

Neste caso é certo que o salvo, uma vez que se encontre em pecado será disciplinado, entrará no deserto da aflição , da dor e da angústia, terá sua consciência martelada pela Palavra, até que, através do poder restaurador do Espírito Santo ele se afaste do erro e se volte para Deus.
O Senhor não pune com a perda da salvação seus eleitos, por maior que seja seu pecado ele os levará ao arrependimento, seja através da dor ou do tormento da consciência.
Mas também é importante que saibamos que nem todos os que se dizem cristão o são realmente. Nem todos os que se dizem salvos o são verdadeiramente. Há muitos que saem do rebanho de Cristo para nunca mais voltar, porém apesar de terem frequentando o rebanho, tentado comer dos seus pastos verdes, serem por um pouco guiados pelo Pastor das ovelhas, eles cansaram desta vida e abandonaram o lugar do qual nunca fizeram realmente parte. Só sai do meio da Igreja, do meio do povo de Deus os que nunca foram povo de Deus.
A fé e a confissão pública são um resultado visível de um trabalho invisível de Deus no coração do pecador. Não raro porém a confissão é vazia de fé salvadora, e o "novo converso" logo irá se afastar da congregação da qual nunca fez realmente parte.

A Doutrina da Perseverança dos Santos está lastreada em diversos textos dos quais podemos selecionar:

  João 6.37 - Todo o que o Pai me dá virá a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora.

   João 6.38 - Porque eu desci do céu, não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou.

  João 6.39 - E a vontade do que me enviou é esta: Que eu não perca nenhum de todos aqueles que me deu, mas que eu o ressuscite no último dia.

 João 17.12 -  Enquanto eu estava com eles, eu os guardava no teu nome que me deste; e os conservei, e nenhum deles se perdeu, senão o filho da perdição, para que se cumprisse a Escritura.

Romanos 8.35 - quem nos separará do amor de Cristo? a tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada.

 I Coríntios 10.13 Não vos sobreveio nenhuma tentação, senão humana; mas fiel é Deus, o qual não deixará que sejais tentados acima do que podeis resistir, antes com a tentação dará também o meio de saída, para que a possais suportar.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Pais capadócios

A região da Capadócia (também conhecida como Província da Capadócia) era localizada na área centro-oriental da Anatólia na moderna Turquia. Era um dos domínios romanos da região da Ásia Menor. Os Pais Capadócios foram três notáveis teólogos que viveram nesta região entre os concílios de Niceia (325) e o de Constantinopla (381). Sendo que suas contribuições para o Concilio constantinopolitano foram especialmente  relevantes. São eles  Basílio, Gregório de Nazianzo e Gregório de Nissa  e ficaram  conhecidos como os  Padres Capadócios.
Os três foram grandes amigos do assim chamado “Campeão da Ortodoxia” Atanásio, ou Atanásio de Alexandria , e criaram fórmulas para desenvolver a doutrina da Trindade de forma a ser aceita pela maioria dos teólogos da época. Basílio de Cesaréia e Gregório de Nissa eram irmãos, sendo que Basílio, que era seis anos mais velho, foi quem ensinou os princípios elementares da fé a seu irmão mais novo Gregório. Gregório de Nazianzo foi amigo íntimo dos dois, compartil…

Trindade Imanente e Trindade Econômica

Não se pode estudar Teologia do ponto de vista ortodoxo sem refletir a respeito da doutrina Trindade. A grande maioria das Igrejas cristãs abraça esta doutrina. Ela é básica para o Cristianismo.  A Declaração típica do credo cristão histórico é: Cremos em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo .
Os judeus do tempo de Jesus davam muita ênfase à unidade de Deus, e esta ênfase foi trazida para dentro da igreja cristã. Não muito tempo depois,  estudiosos da Bíblia notaram que a Unidade ensinada no Judaísmo não era tão evidente assim como se entendia na época. Analisando as afirmações de Cristo e as revelações do apóstolo Paulo chegou-se a conclusão de uma Triunidade, também chamada de  Trindade .
Tertuliano (ca. 160 - ca. 220 d.C.) foi o teólogo responsável pelo desenvolvimento do termo Trindade, ele criou a palavra “Trindade” (no latim, Trinitas), esse termo desde a sua época tornou-se característico da teologia cristã. Muitos teólogos do cristi…

“Eu te conheci no deserto, em terra muito seca.” (Oseias 13.5.)

O povo de Israel estava sofrendo sobremaneira na terra do Egito e isto já durava 400 anos. Deus  então ouviu o clamor de Israel quando o povo estava na escravidão . Moisés foi usado para libertar o povo. Israel então saiu, livre, para o deserto. Foi ao sair do Egito que eles viram o poder de Deus manifestado. Jamais um povo viu tantas manifestações grandiosas do poder do Altíssimo como Israel na Terra de Faraó. Por dez vezes o povo que os escravizara fora castigado por Deus  de maneira sobrenatural, e Israel viu tudo isso e ficou ileso. Castigos como água transformada em sangue,  plantações destruídas, primogênitos mortos. Mas Israel esteve protegido e não sofreu estas assolações. Mas não foi lá que eles  aprenderam quem era Deus. Foi  na terra seca e inabitável do deserto do Neguev, onde não havia água nem comida e o sol era ardente, que a nação escolhida conheceu ao Senhor. Hoje também, Jesus nos resgatou da maldição do pecado e nos colocou no caminho da vida eterna. Estamos livres e se…