Pular para o conteúdo principal

Salmos 116

O salmo 116 foi mais um dos salmos escritos pelo rei Davi.  Novamente usaremos a versão bíblica  da Almeida Revista e Atualizada (ARA) para fazermos esta análise.




1 - Amo ao Senhor, porque ele ouve a minha voz e a minha súplica.
Quando lemos os salmos  parece que estamos a ler sobre nós mesmos,  lemos sobre os sentimentos humanos, sobre os sofrimentos , angústias, alegrias, suas iras, suas afeições. Todo conjunto de emoções que a alma é capaz de produzir está refletida nos salmos.
Dos salmistas Davi é o que mais extravasa sentimentos em seus versos. Neste salmo ele entoa um hino começando com uma declaração vívida de amor ao Senhor. A causa deste forte relacionamento é a certeza de que Davi possuía de ser ouvido e ser respondido. Ele diz que o Altíssimo ouve a sua voz e a sua súplica, por isso o coração do rei dilata-se em alegria e louvor.

2 - Porque inclina para mim o seu ouvido, invocá-lo-ei enquanto viver.
Davi sabe que é ouvido, sabe  que sua oração não é vã pois há um Deus nos céus e este está interessado em atender ao clamor de seus servos. Por isso ele tem convicção de que durante sua jornada aqui na terra ele estará seguro de receber auxílio e consolo em tempo oportuno, ele não deixaria nunca de buscar e invocar ao Senhor.



3 - Os laços da morte me cercaram; as angústias do Seol se apoderaram de mim; sofri tribulação e tristeza.
 É interessante que mesmo em meio a um hino de louvor o salmista consegue relembrar os tempos de sua angústia. Sua oração é de gratidão, mas de que serve uma gratidão que não mantém viva na memória o quanto de dureza e dificuldade o Senhor o havia livrado?
Com sua peculiar intensidade o filho de Jessé expõe o quanto sua alma se angustiou e como a morte lhe esteve próxima. O Seol era considerado a habitação dos mortos .

4 - Então invoquei o nome do Senhor, dizendo: Ó Senhor, eu te rogo, livra-me.
Ao invocar o nome do senhor o pedido por livramento saí em forma de súplica. A angústia é forte o bastante para que o pedido seja insistente e suplicante.



5  - Compassivo é o Senhor, e justo; sim, misericordioso é o nosso Deus.
Davi está argumentando com Deus em oração, falando ao coração do Senhor tentando comovê-lo  aceitar o seu pedido de  intervenção em seu favor. Para isso ele cita alguns atributos de Deus como justiça e misericórdia. Este tipo de oração argumentativa foi utilizada com muita frequência  grandes servos de Deus , tanto da Bíblia, com exemplos de Daniel, Jonas e Jeremias, como também   grandes homens de Deus da história da Igreja, como Charles Spurgeon , Mood entre outros. Nesta espécie de oração existe toda uma explicação um detalhamento do pedido, são colocadas observações  que  ajudem a expressar a solicitação. Homens que possuem intimidade com Deus e vida de oração parecem argumentar com mais consciência e com mais fé. Há aqui um belo ensinamento de como deve ser nossa oração, confiante , detalhada e precisa.

6 - O Senhor guarda os simples; quando me acho abatido, ele me salva.
Aqui o autor volta-se para quem está ouvindo ou lendo e esclarece que sua oração sempre é bem recebida perante o Senhor existe um histórico de respostas que ficou na sua memória. Ele se entende como uma pessoa simples, ou seja, sem falsidade, fingimento. Deus sempre procura pessoas simples, que não são hipócritas que procuram ocultar suas falhas e fraquezas, mas que se coloca simples e sincero perante Deus.

7 - Volta, minha alma, ao teu repouso, pois o Senhor te fez bem.
Ele continua a lembrar de tudo de bom e de bênção que Deus lhe tem dado e assim fala consigo mesmo , fala ao seu interior: sossegue, tenha paz, o Senhor quer nosso bem , descanse!

8 - Pois livraste a minha alma da morte, os meus olhos das lágrimas, e os meus pés de tropeçar.
Aqui percebemos  três tipos de livramento que o escritor utiliza para abranger as  áreas da vida: Primeiro:  o Senhor o havia livrado  da morte  ( vida é sinônimo aqui de alma)  , o risco de vida havia sido superado pela intervenção divina, a sua vida física havia sido poupada. Segundo: as lágrimas significam perigos  emocionais a que o salmista estava sujeito, sofrimentos de ordem emocional são muito intensos e podem levar o homem a ruína, mas Deus o havia protegido disto. Terceiro: ´Os meus pés de tropeçar” se referem ao ímpeto pecaminoso do homem natural. O tropeço aqui significa o vacilo espiritual que tira o crente dos caminhos de Deus, ou seja, o pecado. Este sem dúvida era o maior perigo, mas o Senhor também o livrara deste mal.


9 -  Andarei perante o Senhor, na terra dos viventes.
Durante o quanto durar sua vida, sua passagem pela terra, ele buscará viver uma vida próxima do seu Criador. Não se pode saber o quanto durará o fôlego de  vida, mas  deve-se trilhar firmemente um caminho justo e reto, apartando-se do mal para que se possa estar diante do Senhor.

10  - Cri, por isso falei; estive muito aflito.
Apesar do escritor estar aflito ele teve força de falar. Sua força vinha da esperança. Ele creu, ele não aceitou que sua dor tirasse sua esperança em Deus. "Eu cri" uma expressão que demonstra o quanto sua fé era vital em meio aos sofrimentos.

11 - Eu dizia na minha precipitação: Todos os homens são mentirosos.
Certamente esta desconfiança , em todo o gênero humano, é   fundada na certeza de que todo ser humano é pecador e que  nenhum homem é digno de confiança , logo , todo ser humano é mentiroso. Isso com certeza é um raciocínio falso, uma generalização apressada, pois nós sabemos que apesar de todos serem pecadores nem todos são mentirosos, no sentido de que amem e pratiquem a mentira. Há muitos homens de Deus que , justamente pelo   temor ao Altíssimo , são dignos de confiança e não são dados a mentira.


12  - Que darei eu ao Senhor por todos os benefícios que me tem feito?
Há aqui uma nota de confiança em meio às tribulações da vida. Não estamos sós, lutando contra   grandes desafios da jornada. Pelo contrário, o Senhor 
 tem feito grandes  coisas na vida do salmista, ele estava alegre por isso. Sua gratidão transbordava , e ele deseja oferecer algo a Deus por isso. O Senhor nos tem feito grandes  coisas, estamos contentes por isso? Somos gratos, mesmo quando as angústias da vida nos sufocam?

13 -  Tomarei o cálice da salvação, e invocarei o nome do Senhor.
Um brinde à salvação do Senhor! Um brinde à sua grandiosa e magnífica graça que nos salva! Façamos  o brinde  e façamos uma oração de gratidão , invocando o nome do nosso Deus!

14 - Pagarei os meus votos ao Senhor, na presença de todo o seu povo.
Depois do brinde quero que saibam que tudo que prometi a Deus eu cumprirei, assim diz o salmista. Sua alma estava comprometida com seu Salvador e o povo deveria ser sua testemunha. O povo deveria ver que o  grande rei de Israel,  Davi, se curvava submisso à autoridade do Rei dos reis e Senhor dos senhores que reinava sobre todo o Universo.

15 - Preciosa é à vista do Senhor a morte dos seus santos.
É maravilhoso o vislumbre de revelação que o escritor do salmo tem neste versículo. Em uma época em que a vida material era tudo em que a maioria dos hebreus acreditavam , uma época que muito pouco já havia sido dito e revelado por Deus sobre a vida eterna, neste momento  Davi nos ensina que a morte é o destino maravilhosamente aguardado por Deus para seus escolhidos, os que andam em sua presença. Se para os ímpios era o fim de tudo, de toda esperança , de todo prazer, de todo deleite, para os justos era o encontro definitivo com o Senhor. Um encontro precioso e aguardado  que os santos que amavam a Deus um dia  alcançariam.

16 - Ó Senhor, deveras sou teu servo; sou teu servo, filho da tua serva; soltaste as minhas cadeias.
O salmista não era apenas servo , como também vinha de uma geração piedosa. A expressão "servo  filho da tua serva" indica que assim como  a mãe de Davi era uma mulher que servia a Deus, seu filho aprendera a mesma devoção sincera. Aqui ele também  relembra que esteve preso mas que Deus o libertara.


17  - Oferecer-te-ei sacrifícios de ação de graças, e invocarei o nome do Senhor.
Mais uma vez o rei promete oferecer sacrifícios em memória a grandeza da graça que lhe foi concedida, mais uma vez também seria oportuno invocar o nome do Senhor.

18 Pagarei os meus votos ao Senhor, na presença de todo o seu povo,  19  nos átrios da casa do Senhor, no meio de ti, ó Jerusalém! Louvai ao Senhor.
Davi reforça a promessa  de que o povo deveria ver o rei de Israel,  prostrar-se em adoração ao Senhor. Aqui ele conclama a toda Jerusalém, a todo o povo de Israel a fazer o mesmo. Ele estaria no meio da Cidade Santa , entre uma multidão de israelitas, seus irmãos e súditos , e ali louvaria a Deus . 
Dizemos com DAvi: Louvai ao Senhor.

Comentários

Blog do Vitor pelo mundo- agora

Total de visualizações