Pular para o conteúdo principal

Dedos cruzados, Juramento e Consolação - Hebreus 6.16-18

Porque os homens certamente juram por alguém superior a eles, e o juramento para confirmação é, para eles, o fim de toda a contenda.
 Por isso, querendo Deus mostrar mais abundantemente a imutabilidade do seu conselho aos herdeiros da promessa, se interpôs com juramento;
 Para que por duas coisas imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, tenhamos a firme consolação, nós, os que pomos o nosso refúgio em reter a esperança proposta;
 Hebreus 6.16-18


O juramento sempre foi uma solenidade de extrema importância nos contratos e formalidades de antigamente. Quando ainda não haviam o sistema de assinaturas e a proteção  do aparato jurídico, os juramentos eram feitos em nome de algo importante e relevante para as duas partes que pactuavam.
Nem  tão antigamente, me lembro por exemplo, na escola quando queríamos confirmar que estávamos falando a verdade, ( donde advinhas disputas infindáveis) jurávamos pela vida do nosso pai. Se era algo mais importante jurávamos por nossa mãe, e sendo de muita valia o que queríamos dizer , jurávamos por Deus. 
A disputa acabava quando jurávamos, pois nenhum menino, por mais levado que seja, mentia sob o juramento de Deus.

O autor de Hebreus nos fala que Deus também jurou, e como não havia nada superior a Si mesmo, jurou pelo seu próprio Nome.
A Bíblia é surpreendente quando nos afirma que nosso Próprio Deus se interpôs com juramento; Para nosso Deus era importante que tivéssemos uma garantia dupla  sobre a sua fidelidade em cumprir suas promessas.  As duas coisas imutáveis, as garantias que Deus nos dá ,  são a Palavra de Deus e o juramento de Deus. Duas coisas inequívocas.
Entre nós colegiais , havia porém, alguns que usavam o cruzar de dedos como um meio de quebrar uma promessa. Quando alguém prometia algo e , ao mesmo tempo, cruzava os dedos , essa promessa perdia a validade. Dedos cruzados invalidava um juramento. 
Entre as práticas de menino, muitos entendiam que isso  era uma forma de "trapaça".

Mas para Deus não existe dedos cruzados. Sua promessa é infalível. Deus não usa de artifícios para não cumprir seu pacto, basta ver que Cristo morreu na cruz do calvário para cumprir sua promessa. Deus não trapaceia.
O Senhor estava preocupado em que tivéssemos convicção de que Ele não nos abandonaria, não cansaria de nossas falhas. Ele se compromete conosco de maneira especial, com juramento!
Logo temos esperança, temos encorajamento para prosseguir na jornada.
Há uma aplicação bem prática em tudo isso.
Quantas vezes nos sentimos desanimados e desestimulados a prosseguir na nossa jornada de vida cristã diária por causa de um tropeço, uma falta, um pecado?
Quantas vezes olhamos para o espelho e dizemos algo como:
" Poxa rapaz, você não tem jeito mesmo...de novo?" ou ainda
" Ser cristão não é para você, desista, você é um fracassado."

O autor de Hebreus deixa um recado claro: a vitória não vem do homem ou de sua capacidade de vencer  ou superar obstáculos. Ela está firmada legitimamente em Deus e em sua Palavra. 
Sua promessa é infalível e imutável. Se você fracassou no caminho  saiba que  percebemos um vencedor não no meio da caminhada , mas na linha de chegada. Se você falhou, não desista, erga-se, há sempre possibilidade de um novo começo para um filho arrependido.
Deus não  disse que desistirá de você e Ele não desistirá nunca! Deus jurou!
Por isso é necessário que nos encorajemos, ergamos a cabeça e fortaleçamos os braços, tomemos nossa cruz e sigamos novamente no caminho da santidade. Perdoados e restaurados  prossigamos indestrutivelmente no caminho infalível de Deus, o estreito  caminho de Cristo

O Juramento de Deus é nossa consolação.









Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Pais capadócios

A região da Capadócia (também conhecida como Província da Capadócia) era localizada na área centro-oriental da Anatólia na moderna Turquia. Era um dos domínios romanos da região da Ásia Menor. Os Pais Capadócios foram três notáveis teólogos que viveram nesta região entre os concílios de Niceia (325) e o de Constantinopla (381). Sendo que suas contribuições para o Concilio constantinopolitano foram especialmente  relevantes. São eles  Basílio, Gregório de Nazianzo e Gregório de Nissa  e ficaram  conhecidos como os  Padres Capadócios.
Os três foram grandes amigos do assim chamado “Campeão da Ortodoxia” Atanásio, ou Atanásio de Alexandria , e criaram fórmulas para desenvolver a doutrina da Trindade de forma a ser aceita pela maioria dos teólogos da época. Basílio de Cesaréia e Gregório de Nissa eram irmãos, sendo que Basílio, que era seis anos mais velho, foi quem ensinou os princípios elementares da fé a seu irmão mais novo Gregório. Gregório de Nazianzo foi amigo íntimo dos dois, compartil…

A Importância da Reforma nos nossos dias

A Importância da Reforma nos nossos dias

Olá irmãos em Cristo. Estamos em clima de festa, pois no dia 31 de outubro comemoramos o aniversário da Reforma Protestante. E a convite do meu amigo Vitor, estou aqui para fazer um breve texto sobre a importância da Reforma nos nossos dias atuais.
Pouco se ouve falar da Reforma nos nossos dias atuais. A mídia tenta encobrir essa data com o Halloween, e as escolas quando falam sobre o assunto, na maioria dos casos, coloca os reformadores como os “vilões” da história.
A Reforma começou na Alemanha, no ano de 1517, quando o então cardeal da Igreja Católica Martinho Lutero se opôs a algumas regras e normas impostas pela Igreja Católica, como as indulgências, proibição de qualquer pessoa ler a Bíblia, o uso de imagens de santos nos cultos etc. E então, no dia 31 de outubro de 1517, Lutero coloca na parede da Catedral de Wittenberg as suas 95 Teses. E nessas teses, Lutero coloca suas oposições à grande parte daquilo que o catolicismo pregava, propagand…

“Eu te conheci no deserto, em terra muito seca.” (Oseias 13.5.)

O povo de Israel estava sofrendo sobremaneira na terra do Egito e isto já durava 400 anos. Deus  então ouviu o clamor de Israel quando o povo estava na escravidão . Moisés foi usado para libertar o povo. Israel então saiu, livre, para o deserto. Foi ao sair do Egito que eles viram o poder de Deus manifestado. Jamais um povo viu tantas manifestações grandiosas do poder do Altíssimo como Israel na Terra de Faraó. Por dez vezes o povo que os escravizara fora castigado por Deus  de maneira sobrenatural, e Israel viu tudo isso e ficou ileso. Castigos como água transformada em sangue,  plantações destruídas, primogênitos mortos. Mas Israel esteve protegido e não sofreu estas assolações. Mas não foi lá que eles  aprenderam quem era Deus. Foi  na terra seca e inabitável do deserto do Neguev, onde não havia água nem comida e o sol era ardente, que a nação escolhida conheceu ao Senhor. Hoje também, Jesus nos resgatou da maldição do pecado e nos colocou no caminho da vida eterna. Estamos livres e se…