Pular para o conteúdo principal

Medo de acertar. Salmo 119.39

 Desvia de mim o opróbrio que temo, pois os teus juízos são bons. Salmo 119.39




É possível fazer o bem e ser envergonhado  por causa disto?
É possível que sintamos medo de acertar?
Então vamos ver.
Hoje é difícil manter uma postura ética no meio do caos conceitual que toma conta do mundo ocidental. Há muitas "verdades" e quase nenhuma certeza. O relativismo é o lema deste século.

Porém a Bíblia permanece sendo o maior referencial de bondade para as nossas vidas. Não importa o que este mundo confuso e perturbado diga. Afinal, ele sempre vai contrariar o Senhor, este é o sistema maligno, o sistema mundano. Tudo normal neste mundo  depois da queda de Adão e Eva...

É necessário fazer o bem, o bem que a palavra de Deus instrui e  não importa o que o resto dos homens vão pensar ou julgar.
O salmista amava e cumpria os divinos preceitos por que eles eram bons, mas mesmo assim ele sabia que haviam pessoas que o criticavam, que o desprezariam. Parece incrível que alguém seja escarnecido e injuriado por fazer o bem, mas foi isso que ocorreu com Jesus, com José, com Davi e tantos outros.
Há sempre uma mente maligna para criticar quem decide obedecer aos divinos mandamentos. Estes não se cansam de humilhar e infamar sordidamente a reputação dos crentes  que se esforçam em viver pelos ditames bíblicos.
O salmista temia este opróbrio.  Opróbrio é sinônimo de infâmia, de humilhação, de desonra. Quem de nós não teme ser desprezado pelos homens?
 Mas os juízos do Senhor são bons, não podemos desistir de procurar fazer o bem, mesmo que isto nos custe o desprezo da sociedade.
Veja alguns exemplos: a sociedade já aceita o  adultério, aceita o homossexualismo, aceita o aborto. Quem é contrário a estas práticas e procura manter-se firme em suas convicções bíblicas, com certeza será desprezado pela sociedade, será tratado como um retrógrado, fundamentalista, alguém sem muita inteligência.

Os nervos tremem, um suor frio pode escorrer pelo rosto aflito. Uma dor quase física pode acusar no peito.   É muito importante aprender a vencer este medo, esta angústia de ter que andar na contramão do  resto da sociedade. O medo de parecer bobo ou fora de moda, medo de parecer diferente do resto. Medo da vergonha. Ser bom, ser honesto, não trair, não revidar ofensas é motivo de vergonha.

Ok. Você já passou por isso. Eu também. É   preciso superar este  temor de ser envergonhado, ridicularizado por fazer o que é correto, de fazer o que Jesus nos ordena. Custe o que custar, pois quem não for firme em obedecer não é digno de ser chamado cristão.

Nós estamos certos e não é permitido recuar em nossos princípios, não é permitido ceder aos argumentos mundanos. Nós estamos bem melhor obedecendo aos bons juízos do Senhor ao invés de receber os aplausos do relativismo mundano. 

Deixe este  medo de fazer o bem, o que é certo , o medo de não ceder ao padrão corrupto do mundo.  Este padrão corrupto  pode nos paralisar , mutilar e por fim acabar com nossa vida cristã. 

Pense.  Agir certo pode fazer com que você seja escarnecido pelos ímpios, mas agir errado pode fazer com que sua consciência o acuse de negar a Cristo, o que é pior. 

Faça o bem e não tema ser envergonhado por causa disto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Pais capadócios

A região da Capadócia (também conhecida como Província da Capadócia) era localizada na área centro-oriental da Anatólia na moderna Turquia. Era um dos domínios romanos da região da Ásia Menor. Os Pais Capadócios foram três notáveis teólogos que viveram nesta região entre os concílios de Niceia (325) e o de Constantinopla (381). Sendo que suas contribuições para o Concilio constantinopolitano foram especialmente  relevantes. São eles  Basílio, Gregório de Nazianzo e Gregório de Nissa  e ficaram  conhecidos como os  Padres Capadócios.
Os três foram grandes amigos do assim chamado “Campeão da Ortodoxia” Atanásio, ou Atanásio de Alexandria , e criaram fórmulas para desenvolver a doutrina da Trindade de forma a ser aceita pela maioria dos teólogos da época. Basílio de Cesaréia e Gregório de Nissa eram irmãos, sendo que Basílio, que era seis anos mais velho, foi quem ensinou os princípios elementares da fé a seu irmão mais novo Gregório. Gregório de Nazianzo foi amigo íntimo dos dois, compartil…

“Eu te conheci no deserto, em terra muito seca.” (Oseias 13.5.)

O povo de Israel estava sofrendo sobremaneira na terra do Egito e isto já durava 400 anos. Deus  então ouviu o clamor de Israel quando o povo estava na escravidão . Moisés foi usado para libertar o povo. Israel então saiu, livre, para o deserto. Foi ao sair do Egito que eles viram o poder de Deus manifestado. Jamais um povo viu tantas manifestações grandiosas do poder do Altíssimo como Israel na Terra de Faraó. Por dez vezes o povo que os escravizara fora castigado por Deus  de maneira sobrenatural, e Israel viu tudo isso e ficou ileso. Castigos como água transformada em sangue,  plantações destruídas, primogênitos mortos. Mas Israel esteve protegido e não sofreu estas assolações. Mas não foi lá que eles  aprenderam quem era Deus. Foi  na terra seca e inabitável do deserto do Neguev, onde não havia água nem comida e o sol era ardente, que a nação escolhida conheceu ao Senhor. Hoje também, Jesus nos resgatou da maldição do pecado e nos colocou no caminho da vida eterna. Estamos livres e se…

Filipe o Evangelista - Vivendo na Dinâmica do Espírito

Filipe Diácono e Evangelista Filipe foi um evangelista, foi  um dos primeiros seguidores de Jesus e  um dos Setenta Discípulos (Lucas 10) . Junto com Estêvão, era um dos sete “homens acreditados, cheios de espírito e de sabedoria” , escolhidos para a distribuição de alimentos entre as viúvas cristãs em Jerusalém (Atos 6:1-6).  Filipe foi a Samaria; proclamou ali o evangelho, realizou milagres,  e como resultado muitos aceitaram a mensagem e foram batizados ( veja Atos 8.4-13). Logo depois batizou um eunuco da Etiópia e foi "arrebatado" até Asdode, de onde seguiu pregando até Cesareia. Anos mais tarde, morou em Cesareia, onde pregava com suas quatro filhas. Por volta do ano 56d.C. foi visitado por Paulo e Lucas que ficaram por um tempo em sua casa.  A tradição diz que ele residiu em Trales se tornando bispo da Igreja local.  Vamos a o relato mais significativo da vida de Filipe. A história de Filipe e o Etíope.

Atos 8.26-40
26 -  Mas um anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: Lev…