Pular para o conteúdo principal

Os Concílios

Concílio de Jerusalém

Concílio [Do lat. conciliu.] Sm. Reunião de toda uma Igreja cristã, pela convocação de uma representação determinada, para definir e deliberar sobre pontos atinentes à missão que lhe é própria.  

Por que fazer Concílios?
Qual é a forma correta de batizar? As mulheres podem exercer o diaconato? Essas questões e muitas outras que parecem bem definidas hoje já foram temas debatidos no passado da história da Igreja Cristã.
Os Apóstolos fizeram , nos deixando o exemplo (veja Atos 15). Segundo, porque é uma tradição da Igreja – como foi desenvolvido na edição anterior de “O Cristã Evangélico”. E terceiro, porque a Cristã Evangélica tem uma liderança democrática representativa, hoje seria como uma Assembleia ou Convenção Geral de alguma denominação . As decisões do concílio representam, portanto a decisão conjunta de todas as Igrejas.

Os Concílios foram reuniões gerais da Igreja, em que se debatiam doutrinas fundamentais para a fé cristã.  No  período apostólico ocorre o primeiro concílio geral  das Igrejas constituídas -- o “Concílio de Jerusalém”, descrito em Atos dos Apóstolos, capítulo 15. Com sabedoria e equilíbrio, os apóstolos e presbíteros deliberaram sobre a espinhosa questão do ingresso dos gentios em uma igreja majoritariamente judaica. Mais tarde, tornaram-se frequentes os sínodos regionais com o propósito de tratar das questões eclesiásticas.


Os Concílios Ecumênicos ou “Assembleias Universais”, eram convocados   visando a unidade da Igreja.  Todos eles foram convocados e dirigidos pelo Imperador cristão, para confessar a fé cristológica e trinitária.
Estes Concílios são em número de sete: O de Nicéia em 325, Constantinopla em 381, Éfeso em 431, Calcedônia em 451, Constantinopla II em 553, Constantinopla III que teve duração de quase um ano, 680 a 681 e Nicéia II em 787.
Clique nas palavras destacadas para saber mais.

A ideia de Concilio foi  relatada    pela primeira vez em Atos 15.  Ali houve o chamado   Concílio de Jerusalém. Foi um concílio da Igreja nascente, os 12 Apóstolos e Paulo ainda estavam vivos e legislavam com a autoridade de Cristo na Igreja. Por isso foi considerado um Concílio diferente dos outros, especial e irrepetível. 

Os sete primeiros concílios ecumênicos foram:

1.   Primeiro Concílio de Niceia (325)
2.   Primeiro Concílio de Constantinopla (381)
3.   Primeiro Concílio de Éfeso (431)
4.   Concílio de Caldônia (451)
5.   Segundo Concílio de Constantinopla (553)
6.   Terceiro Concílio de Constantinopla (680)
7.   Segundo Concílio de Niceia (787)

Porém, como já dito, eles não são todos universalmente aceitos como sendo ecumênicos. A Igreja do Oriente aceita apenas os dois primeiros e a Ortodoxia Oriental, apenas os três primeiros. Os antitrinitários, como os unitarianos, mórmons, quacres, cristadelfianos e testemunhas de Jeová rejeitam todos os sete.
 As Igrejas Protestantes em geral assumem que até o quarto concílio, a Bíblia havia sido realmente a autoridade máxima que regulamentava as decisões conciliares, o que não ocorreu com os concílios posteriores. Esta é a posição sustentada pelo autor do Blog.

 1 - CONCÍLIO DE NICÉIA I 
 Data: 20 de maio a 25 de julho de 325

2 - CONCÍLIO DE CONSTATINOPLA I
Data: maio a junho de 381.

 3 - CONCÍLIO DE ÉFESO
Data: 22 de junho a 17 de julho de 431

4 - CONCÍLIO DE CALDEDÔNIA
Data: 8 de outubro a 1 de novembro de 451

5 - CONCÍLIO DE CONSTANTINOPLA II
Data: 05 de maio a 02 de julho de 553

 6 - CONCÍLIO DE CONSTANTINOPLA III
Data: 7 de novembro de 680 a 16 setembro de 681

 7 - CONCÍLIO DE NICEIA II
Data: 24 de setembro a 23 de outubro de 787



Fontes

 anatividade.blogspot.com.br
 www.ecclesia.com.br
 teologiaemalta.blogspot.com.br

 www.ultimato.com.br




Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os Pais capadócios

A região da Capadócia (também conhecida como Província da Capadócia) era localizada na área centro-oriental da Anatólia na moderna Turquia. Era um dos domínios romanos da região da Ásia Menor. Os Pais Capadócios foram três notáveis teólogos que viveram nesta região entre os concílios de Niceia (325) e o de Constantinopla (381). Sendo que suas contribuições para o Concilio constantinopolitano foram especialmente  relevantes. São eles  Basílio, Gregório de Nazianzo e Gregório de Nissa  e ficaram  conhecidos como os  Padres Capadócios.
Os três foram grandes amigos do assim chamado “Campeão da Ortodoxia” Atanásio, ou Atanásio de Alexandria , e criaram fórmulas para desenvolver a doutrina da Trindade de forma a ser aceita pela maioria dos teólogos da época. Basílio de Cesaréia e Gregório de Nissa eram irmãos, sendo que Basílio, que era seis anos mais velho, foi quem ensinou os princípios elementares da fé a seu irmão mais novo Gregório. Gregório de Nazianzo foi amigo íntimo dos dois, compartil…

“Eu te conheci no deserto, em terra muito seca.” (Oseias 13.5.)

O povo de Israel estava sofrendo sobremaneira na terra do Egito e isto já durava 400 anos. Deus  então ouviu o clamor de Israel quando o povo estava na escravidão . Moisés foi usado para libertar o povo. Israel então saiu, livre, para o deserto. Foi ao sair do Egito que eles viram o poder de Deus manifestado. Jamais um povo viu tantas manifestações grandiosas do poder do Altíssimo como Israel na Terra de Faraó. Por dez vezes o povo que os escravizara fora castigado por Deus  de maneira sobrenatural, e Israel viu tudo isso e ficou ileso. Castigos como água transformada em sangue,  plantações destruídas, primogênitos mortos. Mas Israel esteve protegido e não sofreu estas assolações. Mas não foi lá que eles  aprenderam quem era Deus. Foi  na terra seca e inabitável do deserto do Neguev, onde não havia água nem comida e o sol era ardente, que a nação escolhida conheceu ao Senhor. Hoje também, Jesus nos resgatou da maldição do pecado e nos colocou no caminho da vida eterna. Estamos livres e se…

Filipe o Evangelista - Vivendo na Dinâmica do Espírito

Filipe Diácono e Evangelista Filipe foi um evangelista, foi  um dos primeiros seguidores de Jesus e  um dos Setenta Discípulos (Lucas 10) . Junto com Estêvão, era um dos sete “homens acreditados, cheios de espírito e de sabedoria” , escolhidos para a distribuição de alimentos entre as viúvas cristãs em Jerusalém (Atos 6:1-6).  Filipe foi a Samaria; proclamou ali o evangelho, realizou milagres,  e como resultado muitos aceitaram a mensagem e foram batizados ( veja Atos 8.4-13). Logo depois batizou um eunuco da Etiópia e foi "arrebatado" até Asdode, de onde seguiu pregando até Cesareia. Anos mais tarde, morou em Cesareia, onde pregava com suas quatro filhas. Por volta do ano 56d.C. foi visitado por Paulo e Lucas que ficaram por um tempo em sua casa.  A tradição diz que ele residiu em Trales se tornando bispo da Igreja local.  Vamos a o relato mais significativo da vida de Filipe. A história de Filipe e o Etíope.

Atos 8.26-40
26 -  Mas um anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: Lev…