Pular para o conteúdo principal

Lex orandi, lex credendi



Lex orandi, lex credendi ( Lei da oração é a Lei da Fé) , ou na forma completa: Lex orandi, lex credendi Lex orandi statuat legem credendi. Traduzindo: A norma da oração estabeleça a norma da fé. A Igreja crê o que ela ora. Por outro lado, a Igreja celebra ou cultua o que ela crê. A Liturgia é definida  como sendo o “culto da fé cristã”.

Lex orandi, lex credendi   refere-se à relação entre culto e crença, ou seja esta expressão significa que a doutrina da Igreja está baseada sobre um princípio espiritual, oração e liturgia.
Sempre antes da doutrina vem a oração. Isto é uma regra da Igreja primitiva. A importância de se colocar a ordem correta é essencial. Não se pode buscar regras de fé sem conhecer o valor da oração.

O cânon, a doutrina e o credo vieram depois  de a Igreja já estar em pleno funcionamento. Os apóstolos já se reuniam para orar e cultuar a Deus antes de organizar os alicerces doutrinários que, mais tarde, orientariam a vida e a comunhão dos salvos.
Por outro lado não se pode menosprezar o poder e a importância da doutrina.Sem a doutrina a oração também não funciona. Que nos adiantaria orar para um Deus desconhecido ( pois Deus se revela na Bíblia que é nossa fonte de doutrina).Por isso oração e doutrina andam juntas e são inseparáveis.

Lex orandi deve ser nossa forma de interagir com o mundo, Lex credendi deve ser nossa forma de compreender o mundo.

Muitos argumentam: porque a letra mata mas o espírito vivifica 
(2 Cor 3:6). Com isso querem afirmar que nossa vida devocional 
(oração e culto) é mais importante do que aquilo que cremos através da doutrina. Dizem ainda que o que importa é o coração e o sentimento.
Puro engano. No seu contexto, 2 Cor 3:6 Paulo contrasta o  sistema do Antigo Testamento e a suficiência de Cristo para nos salvar do pecado. A "letra" representa o "ministério da morte, gravado com letras em pedras" que foi dado aos israelitas através de Moisés. O “Espírito” representa a nova aliança de Cristo, revelada através do Espírito Santo e escrita em nossos corações .
Corá, Datã e Abirão pareciam corretos nas suas intenções, afinal eles queriam apenas servir a Deus.Mas eles não conheciam a verdadeira adoração a Deus e negligenciaram  o conhecimento que Moiséis os havia passado através da Lei, por isso desafiaram a autoridade de MOisés e foram destruídos por Deus.(Núm. 16:1)
Devemos buscar a correta compreensão da revelação de Deus expressa na Bíblia Sagrada.Sem ela ficamos desorientados e perdidos. Lex credendi, a Lei da doutrina para orientar o nosso viver espiritual, social e moral. 

Outros  argumentam que o estudo sistemático das doutrinas da Bíblia , aliado ao acúmulo de leituras e conhecimentos é suficiente para uma vida dentro da vontade de DEus.
Outro engano. O Rei Salomão já alertara que o muito estudar era enfado e canseira (Ecl. 12:12), ou seja, sem oração, não pode haver conhecimento de nossa própria fraqueza. Só de Deus, por meio da oração, vem nossa força. A oração coloca dentro de nós a certeza consoladora de que Alguém nos ama desinteressadamente. Alguém que nos ama, ainda que não sejamos dignos desse amor. A oração alimenta nossa estrutura espiritual
Precisamos da Lex orandi em nosso ser.Precisamos da Lei da Oração sendo cumprida em nossa vida.


LEX ORANDI LEX CREDENDI que este seja o lema de todo cristão autêntico!




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Pais capadócios

A região da Capadócia (também conhecida como Província da Capadócia) era localizada na área centro-oriental da Anatólia na moderna Turquia. Era um dos domínios romanos da região da Ásia Menor. Os Pais Capadócios foram três notáveis teólogos que viveram nesta região entre os concílios de Niceia (325) e o de Constantinopla (381). Sendo que suas contribuições para o Concilio constantinopolitano foram especialmente  relevantes. São eles  Basílio, Gregório de Nazianzo e Gregório de Nissa  e ficaram  conhecidos como os  Padres Capadócios.
Os três foram grandes amigos do assim chamado “Campeão da Ortodoxia” Atanásio, ou Atanásio de Alexandria , e criaram fórmulas para desenvolver a doutrina da Trindade de forma a ser aceita pela maioria dos teólogos da época. Basílio de Cesaréia e Gregório de Nissa eram irmãos, sendo que Basílio, que era seis anos mais velho, foi quem ensinou os princípios elementares da fé a seu irmão mais novo Gregório. Gregório de Nazianzo foi amigo íntimo dos dois, compartil…

Trindade Imanente e Trindade Econômica

Não se pode estudar Teologia do ponto de vista ortodoxo sem refletir a respeito da doutrina Trindade. A grande maioria das Igrejas cristãs abraça esta doutrina. Ela é básica para o Cristianismo.  A Declaração típica do credo cristão histórico é: Cremos em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo .
Os judeus do tempo de Jesus davam muita ênfase à unidade de Deus, e esta ênfase foi trazida para dentro da igreja cristã. Não muito tempo depois,  estudiosos da Bíblia notaram que a Unidade ensinada no Judaísmo não era tão evidente assim como se entendia na época. Analisando as afirmações de Cristo e as revelações do apóstolo Paulo chegou-se a conclusão de uma Triunidade, também chamada de  Trindade .
Tertuliano (ca. 160 - ca. 220 d.C.) foi o teólogo responsável pelo desenvolvimento do termo Trindade, ele criou a palavra “Trindade” (no latim, Trinitas), esse termo desde a sua época tornou-se característico da teologia cristã. Muitos teólogos do cristi…

“Eu te conheci no deserto, em terra muito seca.” (Oseias 13.5.)

O povo de Israel estava sofrendo sobremaneira na terra do Egito e isto já durava 400 anos. Deus  então ouviu o clamor de Israel quando o povo estava na escravidão . Moisés foi usado para libertar o povo. Israel então saiu, livre, para o deserto. Foi ao sair do Egito que eles viram o poder de Deus manifestado. Jamais um povo viu tantas manifestações grandiosas do poder do Altíssimo como Israel na Terra de Faraó. Por dez vezes o povo que os escravizara fora castigado por Deus  de maneira sobrenatural, e Israel viu tudo isso e ficou ileso. Castigos como água transformada em sangue,  plantações destruídas, primogênitos mortos. Mas Israel esteve protegido e não sofreu estas assolações. Mas não foi lá que eles  aprenderam quem era Deus. Foi  na terra seca e inabitável do deserto do Neguev, onde não havia água nem comida e o sol era ardente, que a nação escolhida conheceu ao Senhor. Hoje também, Jesus nos resgatou da maldição do pecado e nos colocou no caminho da vida eterna. Estamos livres e se…