Pular para o conteúdo principal

O relativismo apagou as luzes




Parece até ironia, mas é a realidade, centenas de anos depois do  Iluminismo acender as luzes do autêntico conhecimento no mundo ocidental, estas mesmas luzes estão se apagando  em plena Pós-modernidade.

Pondo fim ao Período medieval, a Idade das Luzes espalhou o desejo pelo conhecimento por todo mundo. As pessoas não aceitavam mais  tudo que lhes diziam. Elas procuravam apreender verdadeira essência das coisas. O conhecimento principiava a ser mais distribuído, mais diversificado e menos unilateral.
As coisas estavam se encaminhando bem, apesar de certo obscurantismo em alguns pontos.
Nossa expectativa de vida melhorou, nossa qualidade de vida também, os valores da sociedade democrática começaram a vigorar.E ,mais importante, a elite centralizadora do conhecimento começou a se fragmentar e dar  origens a novos focos de sabedoria.
Mas então chegamos ao ponto crítico. A chamada Pós-modernidade ou Idade Contemporânea. A Idade do Relativismo.
As ideologias estão enfraquecidas. Hoje o que é verdade para você pode não ser para mim.
Opinião  e Teoria se confundem com verdades legítimas. Subjetivismo exagerado gera uma incoerência mórbida que  acaba infestando todo pensamento que nele se baseia. Sabemos que existem verdades relativas, porém não podemos negar a Verdade absoluta sob o risco de pervertemos o Direito.
"Disse-lhe Pilatos: Que é a verdade? E, dizendo isto, tornou a ir ter com os judeus, e disse-lhes: Não acho nele crime algum."  (João 18 : 38)]
Pôncio Pilatos   agia com ambigüidade:   “O que era a verdade?”, ironia para  demonstrar sua idéia subjetiva sobre o direito.
Sabemos que Jesus foi condenado. A Justiça “relativa” foi incoerente.
Ora, é impossível julgarmos alguém sem basearmos o julgamento em uma verdade absoluta!
Mas parece que hoje em dia, tal qual Pilatos, muitos ignoram este fato e continuam em seu relativismo inconsequente. Em busca de uma visão subjetiva encontraram a filosofia do engano.Este tipo de Filosofia que , buscando desestabilizar o absoluto acaba desestabilizando a verdade.
Essa visão  que milita contra a Ética, contra a Moral e contra a própria Filosofia. Que acaba por jogar as pessoas no mundo da mentira(tudo é relativo!), no furto, no adultério e em todo tipo de comportamento que anteriormente era execrado pela opinião pública, mas hoje em dia esta cada vez mais normal e tolerável.
A subjetividade como regra é incoerente e absurda.
Peço a Deus que reacenda as luzes do conhecimento e da sabedoria em nossa geração RELATIVISTA.

Comentários

  1. A Paz do Senhor amado irmão e amigo.

    Parabéns, texto profundíssimo e de grande valia. Que Deus o Abençoe e lhe dê mais e mais conhecimento.

    Clamemos: - Vem Jesus!

    Seu Conservo em Cristo,

    Anderson de Moraes.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os Pais capadócios

A região da Capadócia (também conhecida como Província da Capadócia) era localizada na área centro-oriental da Anatólia na moderna Turquia. Era um dos domínios romanos da região da Ásia Menor. Os Pais Capadócios foram três notáveis teólogos que viveram nesta região entre os concílios de Niceia (325) e o de Constantinopla (381). Sendo que suas contribuições para o Concilio constantinopolitano foram especialmente  relevantes. São eles  Basílio, Gregório de Nazianzo e Gregório de Nissa  e ficaram  conhecidos como os  Padres Capadócios.
Os três foram grandes amigos do assim chamado “Campeão da Ortodoxia” Atanásio, ou Atanásio de Alexandria , e criaram fórmulas para desenvolver a doutrina da Trindade de forma a ser aceita pela maioria dos teólogos da época. Basílio de Cesaréia e Gregório de Nissa eram irmãos, sendo que Basílio, que era seis anos mais velho, foi quem ensinou os princípios elementares da fé a seu irmão mais novo Gregório. Gregório de Nazianzo foi amigo íntimo dos dois, compartil…

“Eu te conheci no deserto, em terra muito seca.” (Oseias 13.5.)

O povo de Israel estava sofrendo sobremaneira na terra do Egito e isto já durava 400 anos. Deus  então ouviu o clamor de Israel quando o povo estava na escravidão . Moisés foi usado para libertar o povo. Israel então saiu, livre, para o deserto. Foi ao sair do Egito que eles viram o poder de Deus manifestado. Jamais um povo viu tantas manifestações grandiosas do poder do Altíssimo como Israel na Terra de Faraó. Por dez vezes o povo que os escravizara fora castigado por Deus  de maneira sobrenatural, e Israel viu tudo isso e ficou ileso. Castigos como água transformada em sangue,  plantações destruídas, primogênitos mortos. Mas Israel esteve protegido e não sofreu estas assolações. Mas não foi lá que eles  aprenderam quem era Deus. Foi  na terra seca e inabitável do deserto do Neguev, onde não havia água nem comida e o sol era ardente, que a nação escolhida conheceu ao Senhor. Hoje também, Jesus nos resgatou da maldição do pecado e nos colocou no caminho da vida eterna. Estamos livres e se…

Filipe o Evangelista - Vivendo na Dinâmica do Espírito

Filipe Diácono e Evangelista Filipe foi um evangelista, foi  um dos primeiros seguidores de Jesus e  um dos Setenta Discípulos (Lucas 10) . Junto com Estêvão, era um dos sete “homens acreditados, cheios de espírito e de sabedoria” , escolhidos para a distribuição de alimentos entre as viúvas cristãs em Jerusalém (Atos 6:1-6).  Filipe foi a Samaria; proclamou ali o evangelho, realizou milagres,  e como resultado muitos aceitaram a mensagem e foram batizados ( veja Atos 8.4-13). Logo depois batizou um eunuco da Etiópia e foi "arrebatado" até Asdode, de onde seguiu pregando até Cesareia. Anos mais tarde, morou em Cesareia, onde pregava com suas quatro filhas. Por volta do ano 56d.C. foi visitado por Paulo e Lucas que ficaram por um tempo em sua casa.  A tradição diz que ele residiu em Trales se tornando bispo da Igreja local.  Vamos a o relato mais significativo da vida de Filipe. A história de Filipe e o Etíope.

Atos 8.26-40
26 -  Mas um anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: Lev…