Pular para o conteúdo principal

Apologética precisa renascer.



Defender a fé cristã nunca foi tarefa fácil.
Desde que foi fundado, o cristianismo sempre foi vocacionado a sofrer perseguição. Jesus ensinava uma doutrina totalmente confrontadora. Seus ensinamentos eram completamente contrários aos desejos humanos. O homem sempre desejou glória, fama e poder. O Mestre porém não estimulava estes desejos , antes, ensinava a humildade.

 O homem é vingativo, intolerante, corrupto e egoísta.
Cristo pregava o perdão incondicional, a caridade, a justiça e o amor.
Coisas bonitas de se ouvir, mas difíceis de praticar.
Resumindo, sua mensagem era impopular.
A mensagem cristã significava uma agressão aos desejos do homem.Muitas eram as pessoas que se levantavam para acusar a nova doutrina e  ridicularizavam quem ousasse professá-la.

Os seguidores de Cristo precisavam se unir para combater os filósofos da época que atacavam a Igreja e ainda defender a doutrina dos hereges que se insurgiam de dentro da nova comunidade.
Surgiram os primeiros apologistas, o Apóstolo Paulo de grande eloquência, mais tarde Orígenes, Irineu, e muitos outros que se destacavam na sabedoria de Deus e dos homens.
As Escrituras eram o material para as construções das apologias primitivas, principalmente quando endereçadas aos judeus que acreditavam no cumprimento de profecias.
Aos gentios toda argumentação  advinha também das Escrituras, porém ela era usada de maneira indireta, ou seja, sem citações.

A dificuldade maior, todavia, surgiu após o Cristianismo tornar-se a religião oficial do Império Romano em 380, com o imperador Teodósio I.
Ali começou a declinar a ênfase apologética. Como a religião se tornara oficial era desnecessário fazer a defesa da fé perante os sábios da época.
A chama do fervor doutrinário se esvaía...
E, embora existisse  alguns destacados apologistas no período posterior ,o renascimento da legítima apologia só aconteceria na Reforma Protestante, onde a Igreja Católica seria questionada em seus valores doutrinários.
Este período, da Reforma, foi de grande desenvolvimento na capacidade intelectual e espiritual dos irmãos reformistas, fazendo com que muitos homens de valor se levantassem com poder de Deus e eloquência para defender a doutrina Sagrada. Grande era a atividade do Espírito Santo na Vida de Lutero, Calvino e Zuínglio.
Posteriormente John Wesley, Charles Finney, Jonathan Edwards ,  dentre outros, foram destacados defensores da Sã Doutrina.
Mas o fervor de novo esmoreceu...
Pois chegando aos dias atuais o que vemos é novamente um arrefecimento no fervor apologético.
A filosofia humanista que permeia grande parte da ideologia pós-moderna é ardilosa. Suas teorias obscuras e bem arranjadas têm iludido muitos fracos na fé.
A Igreja dividida é alvo fácil para a astúcia das heresias panteístas, modalistas, unicistas e muitas outras mais. As sutilezas várias, quase imperceptíveis,mas podem gerar muita destruição no seio da amada Igreja. Heresias de todos os tipos desde negar a humanidade de Cristo até a tese de que Jesus teria filhos...A criatividade humana é espantosa.
Muito mal pode causar as aparentemente inofensivas controvérsias doutrinárias.
Despertar para a Verdade Revelada implica muito estudo e preparo espiritual. Sem A bendita presença do Espírito Santo toda argumentação é inválida, tudo não passaria de falatório infrutífero.
Oremos a Deus que capacite seus servos para a Defesa da fé!


Comentários

  1. Isso!Que o SENHOR levante homens cheios do Espírito Santo para guiar a igreja Dele,que não é uma instituição mas sim pessoas que tiveram um encontro intimo e real Ele...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os Pais capadócios

A região da Capadócia (também conhecida como Província da Capadócia) era localizada na área centro-oriental da Anatólia na moderna Turquia. Era um dos domínios romanos da região da Ásia Menor. Os Pais Capadócios foram três notáveis teólogos que viveram nesta região entre os concílios de Niceia (325) e o de Constantinopla (381). Sendo que suas contribuições para o Concilio constantinopolitano foram especialmente  relevantes. São eles  Basílio, Gregório de Nazianzo e Gregório de Nissa  e ficaram  conhecidos como os  Padres Capadócios.
Os três foram grandes amigos do assim chamado “Campeão da Ortodoxia” Atanásio, ou Atanásio de Alexandria , e criaram fórmulas para desenvolver a doutrina da Trindade de forma a ser aceita pela maioria dos teólogos da época. Basílio de Cesaréia e Gregório de Nissa eram irmãos, sendo que Basílio, que era seis anos mais velho, foi quem ensinou os princípios elementares da fé a seu irmão mais novo Gregório. Gregório de Nazianzo foi amigo íntimo dos dois, compartil…

“Eu te conheci no deserto, em terra muito seca.” (Oseias 13.5.)

O povo de Israel estava sofrendo sobremaneira na terra do Egito e isto já durava 400 anos. Deus  então ouviu o clamor de Israel quando o povo estava na escravidão . Moisés foi usado para libertar o povo. Israel então saiu, livre, para o deserto. Foi ao sair do Egito que eles viram o poder de Deus manifestado. Jamais um povo viu tantas manifestações grandiosas do poder do Altíssimo como Israel na Terra de Faraó. Por dez vezes o povo que os escravizara fora castigado por Deus  de maneira sobrenatural, e Israel viu tudo isso e ficou ileso. Castigos como água transformada em sangue,  plantações destruídas, primogênitos mortos. Mas Israel esteve protegido e não sofreu estas assolações. Mas não foi lá que eles  aprenderam quem era Deus. Foi  na terra seca e inabitável do deserto do Neguev, onde não havia água nem comida e o sol era ardente, que a nação escolhida conheceu ao Senhor. Hoje também, Jesus nos resgatou da maldição do pecado e nos colocou no caminho da vida eterna. Estamos livres e se…

Filipe o Evangelista - Vivendo na Dinâmica do Espírito

Filipe Diácono e Evangelista Filipe foi um evangelista, foi  um dos primeiros seguidores de Jesus e  um dos Setenta Discípulos (Lucas 10) . Junto com Estêvão, era um dos sete “homens acreditados, cheios de espírito e de sabedoria” , escolhidos para a distribuição de alimentos entre as viúvas cristãs em Jerusalém (Atos 6:1-6).  Filipe foi a Samaria; proclamou ali o evangelho, realizou milagres,  e como resultado muitos aceitaram a mensagem e foram batizados ( veja Atos 8.4-13). Logo depois batizou um eunuco da Etiópia e foi "arrebatado" até Asdode, de onde seguiu pregando até Cesareia. Anos mais tarde, morou em Cesareia, onde pregava com suas quatro filhas. Por volta do ano 56d.C. foi visitado por Paulo e Lucas que ficaram por um tempo em sua casa.  A tradição diz que ele residiu em Trales se tornando bispo da Igreja local.  Vamos a o relato mais significativo da vida de Filipe. A história de Filipe e o Etíope.

Atos 8.26-40
26 -  Mas um anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: Lev…